coisascast34

CoisasCast #34 – A Força de Glorinha Perez

Ao contrário da Batalha dos Confeiteiros, o CoisasCast voltou para mais uma temporada de aprofundadas análises televisivas. No programa dessa semana, Fábio Garcia e Larissa Martins se esqueceram completamente da rotina do podcast e não se apresentaram, mas conseguiram conversar sobre o sucesso de “A Força do Querer”. Aliás, sobrou um tempinho também para falar sobre “Os Dias Eram Assim” e até de “Vade Retro”. Não perca o nosso programa!

Fábio Garcia

Eu só faço a contabilidade

Você pode gostar...

Comenta Aí!

15 Resultados

  1. Mayara de Oliveira disse:

    Há muito tempo procurava por um podcast que falasse de novelas e televisão, feliz de ter achado vocês! Só falta agora aquele feed maroto no iTunes pra ouvir no celular 😉
    A Força do Querer veio despretenciosa e está indo muito bem até o momento. A trama está bacana, não tem 1 milhão de personagens e os voos de Glorinha estão mais baixos. Agora, Salve Jorge não tem como defender, foi MUITO ruim.
    Continuem com o cast!!!
    Abraço

  2. Lucas Ramos disse:

    A Glória viaja, mas eu posso garantir a vocês que a história das pessoas ainda acreditarem no boto realmente acontece. Eu sou de Rondônia, e na parte mais próxima ao Rio Madeira ainda se ouve muitas histórias de “menina que engravidou do boto”. Não deve ser diferente no interior do Pará.

  3. Chris Freires disse:

    Não tava acreditando tanto em A Força do Querer e to surpresa porque to achando muito boa! Inclusive curti a Paola Oliveira,primeira personagem dela que eu gosto desda Verônica de Cama de Gato. A personagem da Ísis é sensacional porque tem essa ambiguidade,não se pode definir se é do bem ou do mal,eu mesma sempre caio na discussão com a minha mãe se ela faz as coisas porque tem maldade ou se ela é ingênua demais,eu acho isso muito ótimo! HAHAHA A trama da transgênero ta perfeita,ta muito realista cada fase de auto descobrimento dela,aquela cena que o carinha lá toca nos seios dela e ela fica agoniada foi bem real,ta dando pra entender bastante o processo. Bibi eu acho chatinha,me irrita um pouco personagens sem ambição que tem muito amor pela pobreza,acho forçado,não consigo não achar,talvez curta mais ela quando virar a deosa do tráfico. O Fiuk ta igual o Caio Castro em I Love Paraisópolis,ta sendo competente simplesmente porque ta interpretando ele mesmo,mas se ta sendo competente ta bom demais. Tava sentindo que Glorinha iria me surpreender dessa vez e de fato surpreendeu.

    Sobre Os Dias Eram Assim: De inicio eu gostei até,achei legal e até da Sophie Charlotte eu gostei e olha que tenho uma eterna implicância com ela desde Malhação. Mas com o tempo fui percebendo que a trama é muito rasa,realmente muito focada no romance,deviam colocar um romance ambientado nos anos 70 sem falar da ditadura,funcionaria mais. Porque a impressão que eu tenho agora é que o mundo ta pegando fogo lá fora por causa da ditadura e o que mais importa é que o Vitor vai separar a Alice do namoradinho novo,sei lá … romance fica tão pequeno perto do que ta acontecendo ali. Eu tinha gostado no começo e fui parando de gostar sem saber direito definir o que eu não tava curtindo e vocês aclararam um pouco minhas idéias HAHA E esse lance de supersérie é uma frescura tão grande que chega a irritar.

    Vade Retro: Assim … eu gostei,mas achei que iria gostar mais,sabe? porque a ideia é boa,mas não alcançou minhas expectativas não,até porque né … autores de Os Normais que me arranca muuuitas risadas sempre. Môniza Iozzi é péssima atriz,que bom que alguém falou! Muito Grazi Massafera em Páginas da Vida,ta escrito na testa que ta interpretando,não da pra entrar no personagem com ela. Ela é uma Tata da vida,excelente humorista,carismática,a gente ama,mas como atriz não dá! E como assim o Tony Ramos não é bom com comédia? E o Coronel Boanergers de Cabocla? eu morria de rir dele.

  4. Me surpreendi com A Força Do Querer, não esperava que seria boa e que muito menos teria boa audiência, más tenho me divertido muito, amo voar com Glórinha e tem sido vôos sem turbulências o que é muito bom!

  5. Quem ressuscita sempre volta! Ouvindo para depois lhes dar o prazer da minha seríssima opinião.

  6. Beatrice disse:

    A Força do Querer está carismática e gostosa de assistir e só isso já é grande coisa perto dos vários trambolhos que passaram às nove nos últimos tempos (menos Old Chico, que achei memorável, apesar de alguns problemas).

  7. Um Noveleiro disse:

    Queria dizer que eu tô amando as cenas longas de AFDQ. Na maioria das vezes são cenas que começam simples e depois surpreendem, inclusive no texto (Ivana e Eugênio). O sotaque do Pigossi é bem questionável, mas ele ta bem no personagem que convenhamos, depois de um Dante policial, um Zeca caminhoneiro é muito melhor e quanto ao Fiuk, bem… tá sendo ele mesmo né?

    As protagonistas são boas na medida do possível: Paolla lutadora com voz de homem é carismática (ALELUIA!), mas precisa maneirar no tom mesmo, Bibi perigosa não sei se tenho raiva ou pena, é uma personagem crível, que erra, acerta e ama (GRAAAAAAAAAANDE) e Ritinha que apesar de ser bem sonsa e
    descompensada, ainda consigo rir com ela e sua cauda ao som de Roberto Carlos.

    Apesar de não ter mostrado tanto a força do querer dele, acredito que o Dantas (Edson Celulari) pode ser um bom vilão futuramente.

    Graças a Deus não temos mais uma Melissa Cadory em forma de Joyce (Maria Fernanda Cândido). Assim como no caso da Bibi, ela parece ser mais humana.

    E eu dou MIL policiaizinhos com voz de homem pra Lília Cabral viciada em jogo. Ta maravilhosa!

    Espero que AFDQ seja que nem o Norvana até o final e não descambe muito pro lado de A Lei do Horror.

    • Um Noveleiro disse:

      E só uma observação: A Bibi perigosa se aproxima da Paolla lutadora quando a policial cruza com o Raj (Rodrigo Lombardi). Não sei como isso vai acontecer, mas…

  8. Jessica Oliveira disse:

    Até que a força do querer é boa. hahahaha
    Os dias eram assim, até hoje não vi um capítulo por motivos de não quis ver mesmo: sei la, supersérie, autoras estreantes, enfim&pior que se não me
    engano isso ia ser uma novela das 6 e passaram pras 11 horas hahhahaha
    Vade retro, o primeiro episódio foi ótimo. e nem percebi essa parada da Monica Iozzi não estar atuando bem nessa série kkkkk
    E finalmente vcs voltaram <3

  9. Iara disse:

    Finalmente vcs voltaram! ÊÊhhhh!

    Eu gostei de A Força do Querer. (Eu nunca acreditei em a A Lei do Amor, nem na primeira fase, kkkkk, então nem fui tombada)
    Gente, a Paola Oliveira tá carismática de Jeiza. Milagre! Primeira mocinha da Paola que eu gostei. Mas exageram mesmo na brutalidade dela. A direção e a Paola tem que acertar isso aí.
    Eu sou dessas que acho bonitinho o sotaque do Pigossi, mas não tem nada a ver com o sotaque do Pará, e eu tenho amigos do interior do estado (Como o sotaque do Piauí da Chayanne). Mas eu até gosto do personagem, pq promete uma evolução. O Pigossi sempre faz mocinho meio songomongo.
    O Ruy do Fiuk tem vezes que ele acerta, às vezes soa estranho. Ele é bem cafajeste mesmo. Parece mais cafajeste manipulador do que carismático.
    A Ritinha é meio sonsiane pro meu gosto. Mas a personagem funciona. Adoro a Bibi. Sim, são três anti-heroínastípicas.
    Meu núcleo favorito é o da família da Caroline Duarte, a Ivana. Dan Stulbach e Maria Fernanda Cândido formam um casal interessante. E eu acho mais sutil na interpretação da perua para ser uma Melissa Cadore 2.0. Apesar da personagem ter uns momentos engraçados, ela não envereda para o humor escrachado. Como trocar Maria Fernanda Cândido por Ivone/Irene na pele da Débora Falabella com aquela franja?!
    Acho que a novela tem jeitão de Glória, com uma direção mais interessante. Que bom que está dando certo, pq odiaria ver uma troca de diretor de novo.

  10. osnar disse:

    Os dias eram assim está flopando HARD, por varios motivos na minha opinião:
    – autoras estreantes, texto e história clichê, parece uma novela das 18h disfarçada de “supersérie” das 23h.
    – público perdido, nao sabe o que é uma supersérie, afastando o publico de novelas e de séries, que ja percebeu que é uma novela (e com 88 capítulos)!!!!!
    – o horário ingrato e o fato de ser depois de programas tão diferentes (a força, vade retro, globo reporter)
    -alguns idiotas consideram a série “muito esquerdista”
    vamos ver o que acontece…

    sobre a Força do querer a novela está ótima. Glória está inspiradissima e escrevendo a novela com gosto, e aprendeu com seus erros, ao contrario de outros novelistas que escreveram as ultimas novelas apenas porque estavam sendo (muito bem) pagos. Vale ressaltar também a troca de diretor fez uma enorme diferença, quase todas as escalações foram perfeitas, ao contrário da novela anterior.

    • Iara disse:

      A trama por trás da ditadura realmente é bem simplória. Mas estou gostando das atuações.
      E esse pessoal que fica de choro dizendo que a série é muito esquerdista faltou horrores as aulas de história. É aquele povo chatinho que fica puto nas redes dizendo que a história do Brasil foi escrita por comunistas e talz… Preguiça.
      O horário é mesmo ingrato. Tô num sono que não me aguento na hora da novela. E esse nome supersérie mas afugenta do que aproxima as pessoas. Fica até ridículo ver as propagandas: não perca a nova supersérie da Globo.

  11. lsureke disse:

    Realmente, não esperava que a Força do Querer seria boa, felizmente estava enganado. Ainda não suporto Zeca/ Ritinha/ Ruy, mas de resto está assistível.
    Amei Vade Retro, já Os dias eram assim não me chamou atenção.

  12. Enigman disse:

    IS THIS REAL LIFE???

    Eu to amando os núcleos da jogatina e o otaku em AFDQ e em relação as personagens principais, até agora só tenho birra com Bibi Perigosa, pois me lembro que realmente existe gente tonta igual a ela na vida real.
    Também to gostando do ritmo da novela. Vai demorar mais de um mês pra história principal se conectar, mas nem por isso a novela criou uma barriga. Tem várias coisas acontecendo ao mesmo tempo.

    No mais, assisti o primeiro episódio de Vade Retro e gostei. Sobre a Monica Iozzi e o tempo das piadas, a gente tem que ver que um ator não trabalha só e depende de outras coisas como preparação de elenco e direção. O preparador de elenco não percebeu que a personagem estava no tom errado? A direção não percebeu que o tempo das piadas estava estranho?

  13. Yuri Neves disse:

    cês voltaram <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *