erros-o-outro-lado

5 erros de “O Outro Lado do Paraíso” que não serão corrigidos porque a novela tá indo bem no Ibope

Chegamos ao final do terceiro mês de “O Outro Lado do Paraíso“, essa novela que já passou por todos os estágios possíveis do Ibope (já foi desde grande fracasso de todos os tempos até o maior fenômeno desde “Avenida Brasil”). Atualmente a trama do Tio Walcyr bate recorde atrás de recorde, e a direção da Globo está super sussa com esse grande sucesso sendo exibido.

SÓ QUE…

A gente sabe que se uma novela vai mal no Ibope a direção da emissora já mete a mão para consertar o que estiver de errado, mas o que acontece quando a trama é um sucesso sem precedentes? Absolutamente nada. A média acima de 40 pontos é um salvo conduto para Tio Walcyr escrever qualquer absurdo em sua novela sem qualquer interferência. Listei algumas das tramas que estão muito erradas, mas que vão continuar assim mesmo porque aparentemente sucesso no Ibope é garantia de qualidade.

01. Gael não é agressor de mulheres, só está possuído por um espírito maligno

gael-agressor-possuido

Gael (Sergio Guizé) é o que vocês jovens costumam chamar de “boy lixo” ou “embuste”. Mimado e completamente descompensado, em nome do ~amor~ ele já ameaçou derrubar o doutor Renato (Rafael Cardoso, não o Didi) de um penhasco e violentou sua esposa na noite de núpcias e em muitas outras ocasiões. A Globo até fez um belo serviço exibindo um aviso na tela de que agressão a mulheres é crime e que você tem que denunciar homem que faz isso. Só que aí chegou a segunda fase da novela, Gael continuou agredindo sua nova crush Aura (Tainá Müller) e agora o autor tirou do éter que ele faz isso porque tem um espírito maligno residindo em seu corpo. Rolou até uma tentativa de exorcismo por parte de Mercedes (Fernanda Montenegro). UFA, E EU ACHANDO QUE ELE AGREDIA MULHERES POR SER UM LIXO DE SER HUMANO, já podemos cancelar as ligações de denúncia.

02. O núcleo gay

Uma composição de imagem perfeita, segundo a Sequência de Fibonacci

Uma composição de imagem perfeita, segundo a Sequência de Fibonacci

O Ratinho recentemente ficou bem pistola com a minissérie que mostrou uma relação homossexual na época do cangaço, afinal todos sabemos que os gays foram inventados apenas na década de 80 quando Madonna lançou seu primeiro single. A verdade é que gay só serve para a dramaturgia se for tratado como chacota, vide o sucesso de Crô, Félix e Téo Pereira (e esses três cavaleiros do apocalipse purpurinado estarão juntos num filme… que horror). Tio Walcyr criou então a história de um médico que se esconde no armário com medo da sociedade e se casa com uma mulher. O problema é que por algum motivo o personagem também tem fetiche em se vestir de mulher, o que apenas reforça aquilo que “viado só quer ser mulher mesmo”. Pra completar, a vingança de Clara (Bianca Bin) de expor o médico teve um resultado inesperado: depois de ter sua orientação sexual divulgada para os sete ventos, o médico Samuel (Eriberto Leão) em menos de um dia pensou “nossa, fiquei tanto tempo no armário, agora vou viver como um homossexual orgulhoso, inclusive tô indo agora jantar com meu boy num restaurante pra todo mundo ver”. Repito: não passou nem um dia e ele teve essa mudança de 180º.

03. Subaproveitamento de atores

mercedes-visao-da-raven

Em “O Outro Lado do Paraíso” Walcyr Carrasco conseguiu reunir mais estrelas que a própria vinheta de fim de ano da Globo. Tem Marieta Severo, Fernanda Montenegro, Laura Cardoso, Lima Duarte, Gloria Pires e por aí vai. Uma pena que a maioria está aí fazendo apenas figuração de luxo. Quando a pessoa não envolvida numa história que sem pé nem cabeça (alô, Gloria Pires), o coitado está preso em situações que apenas se repetem. Vide  Fernanda Montenegro, essa grande atriz brasileira cuja função nessa novela é apenas ter presságios do futuro como se fosse a capa de uma revista Minha Novela.

04. O reencontro de Adriana e Duda

adriana-duda

Duda (Gloria Pires) achou que tinha matado seu amante e fingiu a própria morte, deixando pra trás sua filhinha de uns dez anos de idade. Uma década depois as duas se reencontram por obra do destino: Patrick (Thiago Fragoso) chamou Adriana (Julia Dalavia) para ajudar  no caso de Duda pois a garota é especialista em arrancar informações dos clientes através do papo. O problema é que a menina não reconheceu a própria mãe! Adriana não tinha um vídeo de aniversário, uma foto, nada… viu a Gloria Pires com um cabelo mais descuidado e “nooossa, quem é essa mulher que nunca vi na vida?”. Você confiaria numa advogada que não consegue nem reconhecer a própria mãe? Se fosse eu até denunciaria pra OAB.

05. Qualquer coisa envolvendo Nádia

nadia-o-outro-lado

Embora tenha gente que diga que não existe mais racismo no Brasil, esse preconceito continua com tudo e teve até uma nova temporada renovada no recente caso de William Waack. Nádia (Eliane Giardini) é a racistinha da trama por sempre humilhar a antiga empregada negra Raquel (Erika Januza) mesmo agora que ela se tornou juíza. A Giardini foi na Ana Maria Braga elogiar o texto de Walcyr, dizendo que ele conta várias verdades de um jeito grosseiro para demonstrar como a população brasileira é hipócrita, mas na verdade se trata apenas de um texto sem sutileza que precisa fazer a personagem ficar repetindo “eu não sou racista” para que a gente saiba que ela é sim racista. Como se não bastasse as cenas de jantar de família serem um constrangimento sem tamanho, Nádia ainda participa do núcleo dos cabeleireiros homossexuais que são uma caricatura mal feita da profissão e de cenas sexuais cômicas que aumentam o carisma da personagem. Tá serto.

Lembrando que estamos apenas no quarto mês, ainda dá tempo de Walcyr estragar muito mais histórias na novela. A próxima é a trama de pedofilia.

Fábio Garcia

Nunca tive a chance de falar "como vai, Galisteu?".

Você pode gostar...

Comenta Aí!

56 Resultados

  1. Rafa disse:

    Tenho q concordar com quase tudo na matéria, acho que o menos pior nessa novela hoje é o plot da vingança da Clara, o que dá gas pra poder engolir qualquer furo dos outros núcleos, por mais besta que fossem como o plot da Duda em não querer falar nada com a filha, que não conseguiu tirar nada da mulher mesmo sendo uma advogada criminalista em tirar informações dos criminosos lol. É ainda com o delegado que demorou uns 5 capítulos para ter a ideia do milênio de tirar a digital da mulher.

    Nádia nem serve mais pra merchan do racismo, descambou pro humor involuntário mesmo é aquela vilã gratuita que só o Aguinaldo Silva e a Glória Perez podem lhe proporcionar (um beijo Tereza Cristina e a mais recentemente, a Sra Irene de AFDQ).

    Lívia também se tornou um outro desgosto de personagem, que só serve pra cumprir cota ali. Antes na primeira fase tinha alguma importância mas agora o papel de que? De ser a segunda mulher do garimpeiro? Lol

    E o triângulo da Estela é um show a parte kkkkkkk

    • Rafa disse:

      Mas ainda assim com esses erros a acho bem melhor do que Amor a Vida, com aquela direção doida e rocambolesca que só o Wolf Maya nos dá.

    • douglas disse:

      O problema desse núcleo da Estela é que ta lento, mas a ideia é boa. O portugues desde o inicio tem pinta de picareta e é mesmo, vai querer casar com a anã por causa da grana, e pra variar, o Anderson de Rizzi vai fazer o mesmo papel que faz em todas as novelas do Walcyr, o bobo apaixonado rejeitado.

  2. Ricardo Becker Maçaneiro disse:

    E esperar o que do autor de “Amor (?) à Vida” não é mesmo.
    Obs: Agora está revelado o que significava que a Maria Elisa Berredo tinha sido a responsável pela parte pesada de Verdades Secretas: provavelmente foi ela que escreveu (ou reescreveu?) a parte pesada do negócio e deu umas ideias pro Walcyr não despirocar a trama de Angel & Cia.

  3. Guilherme Themistcocles Azevedo Neto disse:

    Novela ridícula, como todas desse autor superestimado, enaltecido só porque dá audiência. A atual trama das sete que se passa na Idade Média pisa com um texto um milhão de vezes melhor de um autor estreante.

  4. Maxxi disse:

    Vou ter de concordar plenamente com vocês, infelizmente.

    A meu ver, tudo naquela novela é extremamente falso, fake, um arremedo de novela que temos hoje. Uma série de situações bizarras, fracas, reunidas numa trama para que chamemos de novela. Tudo embalado por dois elementos paradoxais: a direção artística linda do Mauro e o texto fraco de Walcyr (nessa novela ele conseguiu se superar, o texto não permite nem que os atores consigam se sobressair).

    O núcelo gay é uma vergonha. Não que seja necessário discutir seriamente esse assunto. Pode até ser cômico, mas é complicado aceitar as situações constrangedoras que nos são impostas na telinha. Eriberto de calcinha? Uma mãe fake que já sabia? Cido e Samuel se amam de verdade ou é puro interesse de ambos? Ainda se destaca a fraquíssima atuação do Eriberto com esse personagem.

    Nádia nem se fala. Raquel volta e vira a amante do filho da racista? Como assim? Aí tinhamos uma ótima história a ser produzida, que pena que o Walcyr estragou.

    Quanto ao Gael, esse nem se fala. Nunca vi um personagem tão ruim na carreira estranha do Sérgio Guinzé. Inventasse uma doença pra sair da novela, porque esse personagem é horrível, um dos mais mal realizados da história da nossa dramaturgia recente.

    Além disso, tem a Bianca Bin/Clara. Ambas são horríveis. Bianca Bin está péssima nessa novela, com sua saga de vingança nos seus “olhos vesgos”. É impossível dar credibilidade a ela, que parece se vingar apenas pela questão do ibope, porque não vejo outra forma. Eu como autor, faria uma vingança à la A Madrasta, novela mexicana. Ela lutaria pela criança (Thomaz) e no meio do caminho, ia fazendo os personagens sofrerem com suas escolhas no passado. Aí sim, teríamos uma motivação. Toda história de vingança tem de se basear na ideia de justiça, senão não tem estofo. O caso pior é da vingança contra Samuel. Clara tinha de dar jeito era de cassar o diploma desse médico, motivo ela tem. Expor a homossexulidade do cara nem é vingança, apenas redenção. Mas a trama está tão sem visão de futuro, que duvido muito que Samuel perca o diploma, o que seria de fato justiça.

    Espero mesmo que melhore. Mas uma trama mal conduzida, com audiência, será uma trama ruim com audiência (beijos, Fina Estampa).

    Que venha logo Segundo Sol…

    • James disse:

      Gael é o melhor e mais complexo personagem que o Walcyr já escreveu, e o Guizé ta perfeito no papel, passa direitinho como o cara é perturbado.

      E não entendi onde que é absurdo a Raquel voltar pro Bruno…

  5. PJ disse:

    Ótima postagem, adorei!
    Vou comentar quase tudo. Por partes.
    1. Eu até achei legal abordar violência contra mulheres por parte do agressor. Me pergunto se é possível um homem deixar de ser violento. Acho que sim, mas não COM A MESMA MULHER.
    2. Esse núcleo gay é terrível mesmo e essa virada foi ridícula. Eu caí pela segunda vez no conto do vilão gay do Walcyr. Já tinha achado que o Félix era um vilão seguro que tinha se casado pra dar o golpe do baú ou coisa parecida e agora de novo com esse, mas acho que pra novela gay não pode ser seguro.
    4. Pensei a mesma coisa.
    5. Eu rio dos diálogos ridiculamente forçados dessa novela.

    • douglas disse:

      Ué, mas o Samuel nunca foi pintado como vilãozão, era só uma das marionetes do plano contra a Clara desde o início, e justamente por ser chantageado. E ele não ia seguir com o segredo e o casamento até o final da novela, impossível uma barriga tão grande.

      • PJ disse:

        Tô falando de antes da novela estreiar, quando falavam que ia ter vilão gay. Mas, aparentemente, gay só pode ser sub-vilão de vilã mulher ou no fundo ter um coração bom, ou pior, as duas coisas num mesmo personagem. E muitas vezes é vilão por que é gay, como o Félix que era vilão pela rejeição do pai e o Samuel pra continuar no armário. Acho chato a trama dos personagens gays sempre ser que eles são gays, não dá pra superar isso e parar de repetir histórias de saída do armário ou homofobia?, me pergunto.

  6. douglas disse:

    Em nenhum momento a Mercedes falou em espirito maligno ou possessão. Tem q ser muito ignorante pra levar uma metáfora ao pé da letra.

    • Rafa disse:

      Oi?? Não tem como não sacar que seja sobre espirito, ainda mais com a mudança de personalidade que o cara teve na frente dela e a minissessão de exorcismo na cena.

      “Tem dois dentro de você ai”
      “Se é anjo não sei, sei sim que ele não é desse mundo…”
      “Não sou o melhor pai do mundo, dou meu jeito mas de repente esse outro toma conta, e fico com vontade de machucar, com ódio”

      https://globoplay.globo.com/v/6420821/

      • douglas disse:

        Sim, ela disse tem dois: “o bom e o mal, como TODOS nós temos dentro da gente”. Só ta falando de lado bom e lado ruim, mas claro, com aquela carma “obscura” pq a personagem ve coisas e etc.

        Gael é o vilão humano que tanto pedem.

  7. Filha da Helena e mão do meu irmão disse:

    Esse negócio de possessão por espíritos é verdade, vocês criticam porque não sabem o que é ser importunados dia e noite por demônios.
    Felizmente o Gael irá se libertar e reconquistar sua vida.

  8. Felipe disse:

    Walcyr tá achando que é realismo mágico pra culpar o demônio pelas agressões, fazer a vidente expulsar a morte que veio pegar o Lima Duarte e fazer uma paraplegia ser curada por uma reza da mesms vidente?

    Fora que esse é disparado o pior texto que eu já vi em uma novela. A cada 10 dialogos, 11 tem alguma bobagem

  9. João disse:

    Cada vez que tento assistir às novelas do Walcyr, morro de vergonha pelo texto. Pior que não são apenas esses núcleos que o Fábio citou, são todos! É muita vergonha alheia embrulhada em papel refinado (direção, fotografia e figurino). Mas é isso que o público brasileiro gosta, fazer oq? Desligar a tv e esperar q a próx. novela traga ao menos um pouco de dignidade dramatúrgica.
    Falando em texto, muito boa matéria Fábio. Esse humor ácido/sutil no meio do texto é maravilhoso!!

  10. Chris Freires disse:

    Sempre achei que o Walcyr foi feito pro horário das 18h,depois de Verdades Secretas cheguei na seguinte conclusão: Ou ele é pastelão e raso como caberia em uma novela das 18h ou ele é polêmico demais como funcionou no horário das 23h. Ele fica sempre muito perdido no horário nobre e ninguém faz nada por causa do pacto da audiência que ele nunca esquece de renovar.
    Quanto a novela …
    Essa história do Gael ter um demônio no corpo é um completo desserviço,Walcyr simplesmente conseguiu dar mais um motivo pra muitas pessoas (inclusive as vitimas) justificar o agressor. Desdo começo sabia que uma hora ou outra o personagem teria uma redenção forçada,mas não precisava ser tão forçada né?

    Pra começar acho que o Dr. Samuel deveria ser punido como médico mesmo,já que falsificou um diagnóstico pra internar Clara em um hospício. A cartada final poderia ter sido essa questão da sexualidade,mas deveria ficar de segundo plano. Essa vingança ficou como piada já que o Dr. Samuel com sua mudança brusca só ta faltando agradecer a Clara por ter tirado ele do armário.

    A Fernanda Montenegro eu já imaginava que não teria muita função na novela,Walcyr não prometeu muita coisa ali. Mas Duda tinha uma história de peso no inicio e agora parece que o autor não sabe direito o que fazer com a personagem até a Clara descobrir que é a mãe dela. A Adriana que já tava quase na pré-adolescência quando a mãe “morreu” não reconhece-la mesmo que ela tenha a mesma cara de sempre foi a coisa mais forçada até agora.

    E a Nádia é outra sem função na novela,nem no núcleo do cabeleireiro ela tem muita função,ta sempre sobrando,ta ali pra atormentar a juíza e só,porque cá entre nós,nem pro marchan do racismo ta servindo.

    • Sandy disse:

      Falando em redenção forçada,foi divulgado que a Raquel vai sofrer um atentado a mando de Sophia, ficará tetraplégica ou algo parecido, e Nádia terá que ~cuidar~ da sua ex-empregada a mando do filho…

    • douglas disse:

      No caso do Samuel acho que o Walcyr quis passar uma mensagem, de que revelar um segredo como esse não era vingança, era uma libertação pra ele. E a Duda vai se unir a Drica que se vingar da Jô e recupera o marido, calma que ainda tem história por ai. E sim, ela reconheceu a mãe, mas não contou.

      Nádia é a vilã do núcleo dela e só, não foi prometido mais que isso.

  11. Mailson Freitas disse:

    Walcyr Carrasco não me convence em horário nobre.Tramas de horário das seis ele e imbatível. Esperava um texto mais maduro,como ele apresentou em Verdades Secretas.O drama de Duda ao invés de me comover,me causa irritações pelo excessos de furos.Carrasco confunde muitas vezes emoção com dramalhão exagerado.Acho ridiculo não reconhecer a mãe já que ela tinha uns dez anos aproximadamente.

  12. Zuleide disse:

    Depois do trabalho lindo que a Glorinha fez em AFDQ, me vem uma novela toda errada dessa. Texto lixo, raso e sem sentido, mas muito bem embalado, com fotografia, ambientação e figurinos muito bons.

    • douglas disse:

      “Trabalho lindo” que foi criticado por vários representantes transexuais…

      • PJ disse:

        Criticado por que? Não vi crítica nenhuma. Aliás, a única crítica que li foi sobre terem colocado uma mulher pra fazer papel de trans MAS como iam fazer a transformação que a personagem viveu com impacto se a atriz não fosse mulher?!

  13. Psicólogo. disse:

    Acho que quem leva novela a sério demais tem algum problema emocional.

  14. douglas disse:

    Eu sabia q ia ter gente não sabendo interpretar essa cena do Gael. Não tem espirito maligno nenhum, é tudo metáfora. O velho clichê do “todo mundo tem um anjo e um demônio dentro de si”, desculpa, mas quem levou isso ao pé da letra é burro.

    E também é óbvio que a Drica reconheceu a mãe, tanto que soltou a frase “Qualquer uma de suas filhas gostaria de saber que está bem”. Só que não contou ainda. E quando contar vai botar a Duda e o Natanael frente e frente e o veio vai bater as botas.

    E a Nádia é perfeita pro tipo de texto do Walcyr. Ela é o contraponto da Sophia. Não é a vilã inescrupulosa, é só a vilã com ares cômicos que o povo tanto gosta. Essa novela tem sim muitos erros, mas passam longe dos citados na matéria.

    E não, o núcleo do salão é forçado, mas não é só caricatura não. Querem insinuar q o tipo “gay escandaloso de novela” não existe mais é querer exagerar no discurso politicamente correto.

  15. French disse:

    Gente eu sei que é bem chato ficar batendo sempre na mesma tecla e repetindo sempre a mesma coisa, mas eu acho que alguém tem que falar

    Vocês não acham insuportável que praticamente toda novela hoje em dia fica se escorando em assuntos tabus e merchandisings sociais só para mascarar a falta de história das mesmas ?? Os autores não criam mais história as novelas nao inovam mais, a ultima novela no horário nobre que realmente inovou no seu enredo foi Salve Jorge que mesmo com um punhado de personagens e 300 núcleos paralelos, quase que não tinha panfletagem (a trama central era um merchan mais a gente aceita porque foi uma puta inovação no horário, alem de bem criativa)

    É difícil pensar que depois de uma década maravilhosa para se assistir novela (já que eram todas criativas e bem construídas, e quaaando tinham merchan social era porque realmente era nessessario falar sobre tal assunto) nos vem uma década fraquissima em questão de criatividade e folhetim, as novelas se tornaram chata e mimizentas, com toda essa lacração que ninguém gosta realmente, mas falam bem porque é coisa cult e moderna.

    BÔNUS: como ja disseram aqui no site, essas mocinhas “fortes” de hoje em dia só enche o saco, não passam mensagem nenhuma de “mulher emponderada e independente” protagonista forte para mim e uma Maria do Carmo, uma Tieta, uma Maria Clara, uma Nina, uma Luana, uma Donatela, uma Bebeu (com “catiguria”) e por fim todas as protagonistas das novelas do Manoel Carlos (mulheres reais, fortes e que realmente eram independentes, e que tinham motivos de sobra para isso), essas pirralhas de hoje em dia só sabe soltar frases soltas de Twitter ao longo da novela e ficar cagando regras para todo mundo (não só para os personagens secundários da novela mais também para o público no geral)

    • Um noveleiro disse:

      Fora que algumas dessas pautas, não são tratadas de forma séria. É só pra manter audiência msm.

    • douglas disse:

      Realmente, hoje em dia só colocam merchan em novela pra ficar bem na foto, ganhar pontos com o povo. Por isso acho que o Walcyr ta certo. Ao invés de esticar o dramalhão do Samuel, colocou um ar cômico no núcleo, o que deixa a trama com menos cara de panfletagem. E o próprio Walcyr é gay, sabe muito bem tudo o que tá escrevendo ali, dizer que ele ta ofendendo a comunidade como saiu por ai é absurdo.

      • Zuleide disse:

        Sabe muito bem o que escreve pra dar audiência e garantir o público, apenas. E o fato dele ser bi não o deixa imune de ofender a comunidade ou outros, nem o dá segurança absoluta de saber o que está escrevendo 100%. Outro exemplo claro é o Aguinaldo Silva vomitando transfobia no Twitter, depois do bom trabalho em Tieta.

        • Flora disse:

          Você não faz ideia de como é ridiculo chamar um gay de homofobico, além de muito chato… bom sobre os núcleos gays na novela, tudo muito chato e caricato sem mais

          PS: O Aguinaldo só disse verdades no Twitter (sem medo nenhum do politicamente correto atual)

          • Zuleide disse:

            Mas eu não disse que ele era homofóbico. Samuel reproduzia homofobia com suas atitudes, porque não era só a forma dele de pensar (até porque tinha vida dupla), mas sim porque as atitudes dele afetavam diretamente outras pessoas. Bem, é um personagem, muito mal conduzido.

            Sobre tu achar ser politicamente correto considerar aquele tweet sobre um trabalho de uma autora que se esforçou pra fazer algo verossímil (ao invés de tirar uma história do éter)… discordo. Foi um tweet infeliz e insensível. Entendo o que ele quis dizer mas o mundo não gira em torno dele e dane-se o resto das pessoas. Afinal, ele é um autor e escreve pra gente e nós avaliamos

    • Sandy disse:

      Como vi num vídeo no Youtube, é até misógino o fato das personagens femininas ~fortes~das novelas, séries e cinema, tenham características masculinas enquanto as personagens ~fracas~ tenham características femininas; Desde quando uma mulher pra ser ~forte~ tem que lutar com espadas e vestir calças? Beijos Anna Milman! É completamente sem lógica combater um esteriótipo construindo outro esteriótipo! Se por um lado não temos mais Belas adormecidas e Brancas de Neves, o esteriótipo da princesa frágil, temos o esteriótipo da princesa empoderada Moanna, aquele do Valente que representa bem o que quero dizer. Não sei vocês mais entre dois esteriótipos prefiro o meio termo: a Bela que domou a fera mais era super bem construída, adora ler, é feminina sem deixar de ser decidida e forte, e pra cotar um recente, temos a Rapunzel do enrolados, que também é muito bem construída e não cai em nenhuma destas armadilhas.
      Em novelas, como você disse, ninguém se lembrar de Joaquinas e Annas; A Maria Clara é uma mulher feminina, sensual; Quero ver se não Chayenne uma mulher forte, e bastante feminina e extravagante.

      E digo, uma mulher jamais precisa pegar em espadas para ser forte, só precisa ser autêntica, e não deixar que a sociedade a bode. Maria Clara é autêntica, Tieta, Chayenne, a Helena de laços de família, Do Carmo, a Sinhá moça…
      O que elas têm em comum: são personagem que poderiam mulheres de carne e osso, com defeitos e preconceitos, que não agem por “lacração”.

      • French disse:

        É exatamente isso, para uma mulher ser forte não precisa ser bruta o tempo todo, a Jeiza era assim (eu tinha a impressão de que ela estava sempre pronta para entrar em uma briga de UFC) e a Anna Milmam é a prova vida de que o seu argumento é verdadeiro, já que para mostrar que ela seria “emponderada” tascarão uma foto dela segurando a espada fazendo carão para a camera (até porque uma personagem histórica só pode ser considerada forte se ela fizer consplay de Dom Pedro I) as pricesas da disney hoje em dia são uma vergonha, elas me soam todas forçadas

        Que saudades eu tenho da “DONELO” delegada forte, decidida, autoritaria e FENININA

        • PJ disse:

          Gente, variedade. Algumas personagens vão ser Jeiza e outras vão ser Clara. Acho que o problema será quando todas as personagens mulheres fortes forem masculinizadas ou quando todas forem femininas. Por que uma mulher forte pode ser do jeito que ela quiser. Parem de problematizar onde não tem problema e criar regras de como tem que ser uma mulher forte. O que tem que haver é variedade, e é o que está havendo.

          • French disse:

            Acho que vc não entendeu muito bem oque eu e a Sandy estamos discutindo aqui

            Nos estamos criticando o fato de que praticamente todas as personagens femininas hoje em dia ficarem agindo como homem ser marrenta, mandona, caga regra e esquecerem a sua femilinidade e isso tudo só para mostrarem que são emponderadas e independentes, estamos criticando porque não tem nessecidade sabe ?

            A Jeiza por exemplo vivia fazendo carão para a camera e engrossando a voz e para que ? Para provar que ela era um policial forte e independente ? Sorry, mas a “donelo” já nos mostrou que para ser uma policial forte não se precisa de nada disso, basta apenas ser autentica, e a Clara é uma verdadeira múmia, tudo bem que ouve uma redenção por parte da personagem mais ela não precisava virar um estatua de gelo né, ela podia continuar sendo a mesma Clara de sempre só que agora mais desmedida (a Ana Francisca não precisou virar um robo para se vingar de seus augoses, ela continuou sendo ela mesma, ou seja ela foi AUTENTICA)

            a masculinizacão das personagens “fortes”… está se tornando mais regra doque excessao, por isso o nosso incomodo

          • ceci disse:

            French, vc vai me desculpar mas a Ana Francisca voltou com sangue nos zóio sim. Mas era uma novela das 6 e o que ela sofreu não passa nem perto do que a Clara sofreu. Acho que Clara ficou fria meio que por autodefesa. E qual era o problema da Jeiza? Ela sabia ser feminina em vários momentos também. De qualquer forma, essa feminilidade também não é obrigação nenhuma.

          • Sandy disse:

            Sim, uma mulher pode ser o que quiser; Forçar a barra, engrossar a voz, para ser “tão boa quanto um homem” não sei onde isso é feminismo. Não vejo problema nenhum em personagens femininas masculinizadas, desde que sejam bem construídas; agora esteriótipos, seja de mulher empoderada, ou de bela-recatada e do lar, pra mim da no mesmo.
            É como disse o French, quem precisa de Jeiza quando temos Donelo, não é mesmo!
            Variedade de esteriótipos e personagens mau-construidos, tenha dó!

          • PJ disse:

            A mudança na Clara não é só sobre “ser uma mulher forte agora”, e sim pra mostrar que o que ela passou transformou ela. A Ana Francisca de Chocolate com Pimenta também mudou, só que de uma maneira diferente, ficou mais refinada e ryca. É claro que ela só foi humilhada uma vez, o que a Clara passou demorou meses. Mas a mudança, nos dois casos, é a mesma. Passaram a esconder quem são e fingir que são mais fortes, mas no fundo são a mesma pessoa de sempre. Se fosse um personagem masculino ia ser a mesma coisa. E quem é Donelo?

          • French disse:

            Olha desculpa mas existe uma diferença gritante entre a Clara da primeira fase e a segunda, são duas personagens completamente diferentes uma da outra, já a Ana Francisca mesmo mais refinada continuou sendo a mesma Maria mijona de sempre (e foi essa a comparação que eu tentei fazer)

            Donelo é a delegada Heloisa de Salve Jorge, simplesmente a protagonista moral da novela

      • Filha da Helena e mão do meu irmão disse:

        Beijos Malhação!

    • Filha da Helena e mão do meu irmão disse:

      Cuidado hein, a turminha da lacração vai te pegar kkk

  16. osnar disse:

    novela horrível. pior são as @ ´s do twitter que continuam assistindo esse lixo só pra falar mal. não tem nada melhor?
    pior q walcyr vai ganhando ainda mais prestígio dentro da globo. não duvido nada mais uns 2 anos já esta ele de volta ao horário das 21hs…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *