10 robôs míticos da história do cinema

Os robôs têm desempenhado um papel importante na história do cinema. Desde 1927 com ‘Metrópoles’ até hoje eles têm representado aquilo que é desconhecido e imprevisível ou porque vieram de fora ou porque são uma criação humana que é difícil de controlar. O último exemplo disso é ‘Automaton‘, de Gabe Ibáñez, estrelado e produzido por Antonio Banderas. Um filme que mostra o que aconteceria se a inteligência artificial superasse a inteligência humana. Aproveitando sua estréia, Cinemascomics.com faz uma revisão cronológica de alguns dos mais importantes robôs da história do cinema, sejam eles andróides – autômatos que se parecem com homens – ou ciborgues – seres formados por matéria viva e dispositivos eletrônicos. Os robôs que apareceram em séries de TV de desenhos animados como Mazinger Z, Astroboy ou Transformers – embora tenham sido posteriormente adaptados para o cinema – não estão incluídos na seleção, que merece um artigo à parte.

1. Maria (“Metropolis”)

Um dos primeiros robôs a chegar à tela grande foi incluído pelo lendário diretor austríaco Fritz Lang em sua antologia ‘Metropolis’, que estreou em 1927, antes da chegada dos filmes sonoros. A história gira em torno de uma revolução operária em uma cidade no ano 2026, mas uma figura estranha chama a atenção, um robô criado pelo cientista fantasma Rotwang que tem dentro de si o espírito da mulher do cientista e cujo nome é Maria. Seu objetivo será criar o caos entre a população de classe trabalhadora. Além da trama, Lang abriu o caminho para a inclusão dos robôs no cinema, fato que certamente deixou mais do que surpreendido o público daquela época que foi ao cinema para ver o filme.

2. Gort (‘Ultimato à terra”)

Gort é o robô icônico de ‘Ultimatum to Earth’, o filme dirigido por Robert Wise e lançado em 1951. Gort, de três metros de altura, acompanha o alienígena Klaatu, que tem uma aparência humana e é capaz de destruir armas humanas com um raio laser que dispara através dos seus olhos. O protagonista do filme é Klaatu, que leva uma mensagem contra a criação de armas nucleares.

3. R2D2 / C3PO (“Guerra das Estrelas”)

R2D2 e C3PO são dois dos robôs mais clássicos e famosos da história do cinema de ficção científica e vêm do mundo da ‘Guerra das Estrelas’, criado por George Lucas. Sua primeira aparição foi em “Star Wars: Episode IV – A New Hope” (1977) e eles foram muito bem recebidos pelos fãs da saga. O ator Kenny Baker foi responsável pelo controle do andróide R2D2, que emite alguns sons característicos e passou pelas mãos de Anakin Skywalker e seu filho Luke. O mesmo acontece com o C3PO, uma criação do pequeno Anakin. Anthony Daniels era o que estava dentro dele e ele se destaca por dominar mais de seis milhões de formas de comunicação.

4. Replicantes (‘Blade Runner’)

Os replicantes desempenham um papel fundamental no filme de Ridley Scott ‘Blade Runner’ (1982). Eles são robôs, mas parecem seres humanos mesmo sendo muito fortes e aparentemente não têm emoções. No contexto do filme eles são ilegais e têm de ser destruídos. É difícil reconhecê-los -especialmente o modelo Nexus 6- e esta é uma das tarefas que Harrison Ford desempenha no seu papel de corredor de lâminas. O líder dos replicadores, Roy Batty, deixou para a prosperidade cinematográfica uma das frases mais antológicas do gênero cinema: “Eu vi coisas que você não acreditaria: atacar naves em chamas além de Orion… Eu vi raios C brilhando na escuridão perto do Portão Tannhäuser… Todos esses momentos serão perdidos… no tempo, como lágrimas… na chuva“.

5. T-800 (‘Exterminador’)

As duas primeiras partes do ‘Terminator’, dirigido por James Cameron, foram uma grande surpresa. No primeiro (1984), Arnold Schwarzenegger deu vida a um robô imparável, o T-800, que veio do futuro para matar Sarah Conanor. Do futuro também veio um soldado para combater o robô e impedir o seu objectivo. Sete anos depois veio ‘Terminator 2: The Last Judgment’, um filme em que o Terminator, interpretado por Schwarzenegger, veio do futuro para proteger o jovem John Connor. Schwarzenegger, que nesta segunda parte mostra os seus sentimentos, é confrontado com o surpreendente e inovador T-1000 (Robert Patrick), formado a partir do metal líquido. Mais tarde, serão lançados ‘Terminator 3: A Rebelião das Máquinas’ (2003) e ‘Terminator Salvation’ (2009). A chegada do ‘Terminator Genesis’, dirigido por Alan Taylor, está agendada para meados de 2015.

6. Número 5 (“Curto-circuito”)

Short Circuit é o robô original e inteligente que apareceu nos anos 80 em dois filmes que viram a luz em 1986, dirigido por John Badham, e em 1988, por Kenneth Johnson. Uma comédia de ficção científica que estrelou um robô criado inicialmente para fins militares, mas que consegue tornar-se consciente após ser atingido por um raio. O Short Circuit ou Número 5 terá sentimentos e chama a atenção para a sua fome de informação. Um exemplo disso é que ele lê livros com uma voracidade e velocidade invejáveis. O Director Tim Hill está a preparar um remake.

7. RoboCop

RoboCop conta a história de um policial honesto e exemplar, Alex Murphy, que após ser brutalmente assassinado renasceu em um corpo robô, mas com mente e coração humanos. Suas diretrizes são muito claras: servir ao bem comum, proteger os inocentes, preservar a lei e não se opor ou atacar a liderança da OCP. A saga levanta o debate sobre se um humano num corpo robotizado tecnologicamente programado pode sentir e ter consciência humana. A primeira e muito violenta – e mais aclamada – parte foi liderada por Paul Verhoeven em 1987 e a segunda por Irvin Kershner em 1990. O ‘RoboCop 3’ de Fred Dekker estreou em 1993. O personagem também foi renovado com uma nova versão do filme em 2014, dirigida por José Padilha.

8. David (‘Inteligência Artificial’)

Steven Spielberg lançou o filme ‘Inteligência Artificial’ em 2001. Um drama de ficção científica futurista no qual os seres humanos convivem com robôs sofisticados chamados Meccas. A fronteira que marca a diferença entre homens e máquinas é a emoção, os sentimentos. Apesar disso, o garoto robô David, interpretado por Haley Joel Osment, que tem esses sentimentos e pode vir a amar, vai chegar.

9. Wall-E

O Wall-E é sem dúvida um dos robôs mais gentis da história do cinema de animação. O filme dirigido por Andrew Stanton, lançado em 2008 e produzido por Walt Disney e Pixar, retrata a vida de um robô que visa limpar montanhas de escombros na Terra do futuro depois de ter sido devastada e abandonada pelos humanos. Na verdade, é ele quem descobre a humanidade e o que significa ser humano. Wall-e lembra-nos outro robô, o Número 5 ou Short Circuit.

10. Jaegers (‘Pacific Rim’)

O ‘Pacific Rim’ de Guillermo del Toro representa tudo o que os fãs do grande Mazinger Z, o mais antológico robô de desenhos animados, sonharam. O filme, com seus robôs gigantes (jaegers) movidos por pessoas e os monstros (kaijus) que combatem, refere-se claramente ao robô pilotado pelo intrépido Koji Kabuto e criado pelo cartunista japonês Go Nagai. O extraordinário do filme não está na sua trama, que é a luta dos humanos para derrotar uma espécie de godzillas e mutos, mas o realismo dos seus enormes robôs.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad