5 coisas que a “Mulher Maravilha 2” deve ter que melhorar em relação ao original

CineFilms from DC ComicsBy Cinemascomics2017-06-282018-06-25Partilhar

‘Wonder Woman 2’ tem uma tarefa difícil, desde a primeira parcela que não tínhamos nada para comparar. Mas isto não vai acontecer com a sequela, por isso, como já foi criado um precedente, terá de ser melhor, muito melhor para o ultrapassar. O primeiro é um sucesso público e crítico que o segundo deve melhorar.

5 maneiras rápidas e fáceis de melhorar a ‘Wonder Woman 2’ em relação à original.

Atenção contém SPOILERS:

  1. Os vilões: No filme, há três vilões. Dr. Poison, Ludendorff e Ares. Juntos trabalham bem, embora o jogo de quem é Ares não decole realmente. Mas se os separarmos e os colocarmos separadamente, nenhum deles será um grande vilão que possa realmente magoar a Mulher Maravilha. Nem mesmo um Deus como o Ares se sente capaz de se safar com isso.
  2. O secundário: Este caso é semelhante. Há várias linhas laterais como Sameer, Charlie, “o chefe” e Etta. Os quatro são bastante raros. Parece que o filme não mudou de rumo. Eles estão lá para lhe dar uma certa humanidade e para interagir com a personagem principal, mas ficam a meio caminho.
  3. Mais Themyscira: A parte da ilha é uma das melhores do filme. Seria uma pena se eles não se concentrassem mais na acção e apenas a Mulher Maravilha agisse em prol do mundo. Pode ser muito engraçado se eles estão introduzindo objetos do mundo exterior e as Amazonas têm que interagir com eles. Algo que não vemos na primeira parte.
  4. As câmaras em câmara lenta: O uso da câmara lenta está mesmo em cima do dinheiro. Se você usa muito quando há tiros realmente poderosos, eles ficam chatos se você já os usou muito antes. A acção do filme não precisava de tanta câmara lenta.
  5. Manter o diretor e a atriz: É essencial que a química entre Gal Gadot e Patty Jenkins seja mantida na possível seqüência. Dá para ver que eles trabalharam muito bem juntos.

CompartilharPublicação anteriorPublicação seguinte Como sempre me senti atraído pelo desenho, pelos quadrinhos e principalmente pelo cinema, este hobby é culpa de “Guerra nas Estrelas: Episódio IV”, fiquei fascinado com o grande número de naves que apareciam e com o mundo inteiro criado por George Lucas, a cena da nave Corellia sendo perseguida por um cruzador imperial que avançava até encher a tela era chocante. A música de John Williams era cativante e fácil de lembrar, e nessa altura já me lembro das minhas colecções de autocolantes e das bonecas da saga. Outra grande influência foram os quadrinhos, em particular as edições do Vértice do Homem-Aranha, The X Patrol, The Avengers, The Fantastic Four, com os quais aprendi a desenhar copiando os desenhos animados de John Romita Sr. e Jack Kirby. Então não foi surpreendente que eu acabasse estudando na escola de artes de Zaragoza.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad