5 HQs desconhecidos até a sua adaptação ao cinema

Desde o seu início, especialmente durante a década de 1920 e seu posterior desenvolvimento, o cinema tem sido definido como o mais poderoso instrumento para moldar a opinião pública, os gostos e a moda na sociedade moderna. Embora muitos prevejam que a grande variedade de adaptações de quadrinhos na tela grande acabará por esgotar o público a curto prazo, a verdade é que o cinema está servindo menos quadrinhos comerciais (não apenas super-heróis, para ter certeza) para chegar a lugares onde os desenhos animados não foram capazes de fazer isso.

A seguir, apresentaremos cinco casos de quadrinhos ou romances gráficos que viram seu trabalho se espalhar e se tornar mais conhecido graças à sua adaptação na Sétima Arte:

1) “Procura-se” (Mark Millar, 2003)

Inspirado por uma das inúmeras ideias que tem mantido desde a sua infância, o escritor escocês publicou durante 2003 e 2005 na editora americana Top Cow uma obra que o The Sunday Times logo chamou de “The Watchmen of the Super-villains“. O gibi é sobre um protagonista completamente amoral que de repente descobre que é o herdeiro de seu pai, um dos assassinos mais importantes de um universo controlado exclusivamente por supervilões. Em 2008, Timur Bekmambetov adaptou-o para o grande ecrã com o mesmo título, apresentando um elenco de actores como James McAvoy, Angelina Jolie e Morgan Freeman, entre outros. O filme foi nomeado para dois Oscars: Melhor Edição de Som e Melhor Som.

2) “Homens de Preto” (Lowell Cunningham, 1990)

Na banda desenhada original, o agente Jay é caucasiano, mas na adaptação do filme ele é interpretado pelo ator afro-americano Will Smith. O filme também mostra o MIB como heróico, enquanto na história em quadrinhos eles são mais uma organização sombria que governa o mundo e usa métodos questionáveis para guardar seus segredos (como a violência e a intimidação). Enfatiza também os danos psicológicos sofridos pelos MIBs devido ao seu isolamento da sociedade e à sua convivência diária com entidades anormais e bizarras, o que é apresentado de forma humorística no filme. Depois de adquirir os direitos do filme, a Marvel vendeu-o com o propósito de publicar uma prequela e uma sequela da história. Embora o tom da BD seja bastante escuro, a adaptação do filme é bem diferente. O filme mostra o MIB como personagens heróicos adaptados a esse estilo de vida de detetive, enquanto a história em quadrinhos mostra uma organização um tanto escura que governa o mundo através da violência e da intimidação. Portanto, Lowell Cunningham presta mais atenção à carga psicológica do MIB, seres isolados da sociedade normal e habituados a uma existência desligada da realidade.

3) “A Máscara” (John Arcudi, 1991)

Após ter sido concebido em 1982 por Mike Richardson e flertar com Mark Badger, escritor da Marvel Comics, durante seus primeiros passos, finalmente viu a luz (após inúmeros problemas e cancelamentos) graças ao trabalho conjunto de John Arcudi e Doug Mahnke no início dos anos 90 e ao apoio da editora Dark Horse Comics. Através da figura de uma antiga máscara dos índios amazônicos com poderes mágicos, que proporciona uma mudança física e o nascimento de superpoderes para quem a usa, o caráter de A Máscara se transforma em um louco incapaz de se inserir na sociedade. Críticos e especialistas na área acreditam que a banda desenhada foi inspirada pela mistura do Joker, Creeper (Steve Ditko) e ‘The Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde‘, de R.L. Stevenson. As duas adaptações cinematográficas (e a série animada) diferem em aspectos importantes do trabalho original, especialmente na redução da violência e da crueldade com que A Máscara age na banda desenhada.

4) ‘Big Hero 6’ (Steven T. Seagle, 1998)

Para entrar no mercado asiático com um produto adaptado a ele, a Marvel Comics delegou toda a responsabilidade desta missão a Steven T. Seagle e Duncan Rouleau. Finalmente, em Setembro de 1998, este grupo de agentes com poderes sobre-humanos apareceu novamente durante 5 edições dez anos mais tarde. Após o acordo entre a Marvel Pictures e a Walt Disney Animation Studios, foi decidido que Don Paul e Chris Williams iriam adaptá-lo ao grande ecrã (2014). Resultado: inúmeras nomeações e prêmios, com o cólofon de levar o Oscar de Melhor Filme Animado.

5) “The Secret Service” (Mark Millar, 2012)

Publicado durante 2012 e 2013 pela Icon Comics, Mark Millar juntou-se a uma lenda do lápis como Dave Gibbons para lançar uma obra de espionagem no mercado da Nona Arte. A adaptação do filme, feita por Matthew Vaughn em 2014, contou com um elenco que incluía Colin Firth, Taron Egerton, Samuel L. Jackson e Michael Caine, relaxaram mais o conteúdo da história em quadrinhos e deram mais atenção ao humor negro visto em filmes como ‘Kick-Ass‘ (2010), uma história em quadrinhos que é também uma adaptação cinematográfica de outro trabalho de Mark Millar.

Conhece algum outro cómico que tenha conhecido graças à adaptação que fizeram dele para o cinema ou para a televisão?

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad