Alex Proyas fala sobre Sinais do Futuro

Temos o prazer de lhes trazer, caros leitores, a primeira entrevista na Cinemascomics a um diretor de classe mundial graças a um concurso organizado pelo Planeta, no qual as pessoas selecionadas puderam conversar com Alex Proyas por ocasião do lançamento de Signs of the Future e fazer-lhe cinco perguntas, embora devido à falta de tempo do diretor, durou apenas uma hora, aqui eram 23h30 e na Austrália eram 8h00, por isso as perguntas foram reduzidas a três.

As projeções são um cara muito divertido e seus pensamentos sobre o que ele queria transmitir no filme foram pelo menos interessantes, a pena é que foi tão cedo na Austrália e às vezes ele tinha que fazer as perguntas mais rápidas porque ele estava apenas acordado e podia estar bem cansado.

Alex Proyas (23 de Setembro de 1963) é um realizador, escritor e produtor de cinema australiano. Nasceu no Egito para pais gregos, aos três anos mudou-se com sua família para Sydney. Dirigiu inúmeros vídeos musicais e comerciais, muitas vezes em associação com Patrick Tatopoulos.

Sua estréia na direção foi na adaptação do filme ‘The Crow’, com o ator Brandon Lee. Tragicamente, Lee morreu em um acidente durante as filmagens, apenas oito dias antes do final do filme, em março de 1993. Após a morte de Lee, Alex partiu para terminar o filme em homenagem ao ator falecido, usando acrobacias e efeitos especiais para permitir que ele terminasse o filme. O Corvo foi finalmente lançado em Maio de 1994, para grande aclamação crítica.

Em 1998, dirigiu o filme de ficção científica e thriller, ‘Dark City’, com maus resultados apesar de ter ganho muitos prêmios, mas com o tempo tornou-se um filme de culto. Em 2004 dirigiu ‘Eu, Robô’, baseado na peça homônima de Isaac Asimov, com Will Smith como ator principal.

CMC:Por que escolheu Nicolas Cage como seu personagem principal?

Alex Proyas: Sou um grande fã seu e há muito tempo que queremos trabalhar juntos. Ele reúne a mistura de inteligência e paixão necessária para este personagem, e é corajoso.

CMC: O que o atraiu mais na direção deste filme?

A.P.: Levou-me a uma viagem inesperada, com um significado pessoal muito profundo. É uma visão original.

CMC: Você esteve envolvido na escrita do roteiro com Stuart Hazeldine, Ryne Douglas Pearson, Juliet Snowden, Stiles White e Richard Nelly… Você já trabalhou com eles antes? Quais foram suas contribuições para a história?

A.P.: Eu já tinha trabalhado com o Stuart muitas vezes. Stu e eu partilhámos muitas ideias para o enredo.

Na entrevista descobrimos também que ele está atualmente trabalhando na adaptação cinematográfica de dois livros “Os Tripés” de John Christopher (Samuel Youd) e “A Profissão Desagradável de Jonathan Hoag” de Robert A. Heinlein. Ele também foi questionado sobre o “Drácula Ano Zero” do qual não deu nenhuma pista.

O resto das perguntas que você pode ver em, decine21.com, fotogramas.es, labutaca.net e scifiworld.es

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad