Anton Chigurh e o Poder do Medo

As minhas sequências de filmes mágicos: Anton Chigurh e o Poder do Medo14 comentáriosFALANÇA DE HOJE SOBRE A PUBLICIDADE

Assine a Espinof

Publicidade

22 Fevereiro 2009, 11:01 Antonio TocaSuelo

comenta frequentemente um facto óbvio, mas que tem muito sangue mau por detrás. A quem pertence realmente a autoria de um filme? Ao realizador ou a um actor que de forma alguma preenche todos os poros dos quadros em que aparece com a sua presença, elevando a qualidade

do filme?

Há cerca de um ano, na cerimónia do Óscar 2008, a Academia coroou os Coen Brothers com base num personagem memorável como Anton Chigurh, que teve o bónus adicional de colocar todos de acordo com a interpretação de Javier Bardem… A preparação da personagem foi uma ode aos detalhes: a caminhada, a maneira de contar as coisas e o sotaque para falar, o corte de cabelo hackneyed… No entanto, o que venho falar nestes verbetes é de certas sequências, e em ‘Não é país para velhos‘, o que leva o biscoito é a conversa no posto de gasolina com o assassino, de um balconista cujo erro é ser demasiado observador e simpático para os seus clientes.

Para entender a grandeza desta sequência, devemos voltar ao início do filme, ao que os diretores nos mostram em pinceladas sobre o personagem. Desde o início com sua prisão, até a maneira como ele escapa do posto do xerife, matando o delegado que o prendeu, ou como ele pára um carro ao acaso e usa a arma para matar vacas no pobre motorista… Temos alguém frio e assassino na frente de um balcão, derramando gasolina e comprando alguns pistácios, que não quer deixar uma única pista sobre onde está indo, semeando o terror.

A ignorância faz você perguntar, e o interrogatório que se segue torna-se o teste para saber se você vai morrer ou não. Nós, os espectadores, sabemos quem é Anton Chigurh, nós o vimos em ação e estamos certos de que o vendedor não sabe o que poderia acontecer com ele, até que ele verifique o grau em que está chegando às perguntas, de um cliente que se irritou com a curiosidade demonstrada em relação a ele, e o que é pior, ele incute nele desconfiança.

O tom de Bardem não muda. Gradualmente está aumentando o medo que está violando em sua possível próxima vítima, e os espectadores estão sentindo isso, além de usar um tom burlesco, pois é aquele “amigo… oooh!” com deixar o Texas que entoa para terminar várias frases. Mais o jogo da cabeça ou da cauda para saber o que vai acontecer.

Tudo nesta sequência, como eu disse antes, vem desde o início. Aqui nos é mostrado, pela primeira vez, o modo de pensar do personagem e como ele o exterioriza. E o mais importante, nesta demonstração do poder que o medo pode exercer: um total desrespeito pela vida dos outros e pela própria vida, e que o acaso, identificado com uma moeda, desempenha um papel crucial nas consequências finais de uma pergunta curiosa feita no momento errado.

Toda a conversa acaba por ser a primeira parte, de um regresso posterior ao mesmo posto de abastecimento, já mais tarde. Conhecendo o personagem, é fácil intuir o que ele certamente fará. Mais uma vez, é claro que não vemos Anton Chigurh em ação. Só sentimos que ele tem sido capaz de continuar a desempenhar o papel de anjo exterminador com todos aqueles que tiveram a infelicidade de cruzar seu caminho e estar com ele por mais de um minuto.

Isto foi o que os académicos recompensaram e reconheceram no ano passado. Esta noite vai ser outra história. Provavelmente em reconhecimento de outra performance que tomou conta de um filme. O Joker contra Anton Chigurh, quem ganharia?

No blogdecine:

Espinof na Instagram

Siga

Partilhe as minhas sequências de filmes mágicos: Anton Chigurh e o Poder do Medo

TópicosPartilhar

Publicidade

Comentários

encerradosOs melhores

comentários:

Ver 11 comentários

Publicidade

Publicidade

Tópicos de interesse

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad