As bruxas de Zugarramurdi’: entrevista com Álex de la Iglesia

O Festival de San Sebastián acolheu a estreia do tão esperado ‘Las brujas de Zugarramurdi’, o último filme de Álex de la Iglesia, que deu uma entrevista ao ‘Cinemascomics.com’ como parte do evento.

Diz-se que o verdadeiro Alex da Igreja voltou. Acha que eles têm razão ou são rótulos colocados pela imprensa?

Adoro ouvir isso porque a mensagem é positiva: “Oh, meu Deus! Aquele que queríamos está de volta e já odiamos isso há algum tempo”. Obviamente também tem o seu lado negativo porque significa que por um momento eu estive ausente. Mas não, eu ainda sou o mesmo. O que acontece é que este filme é mais parecido com os primeiros, talvez pelo seu conteúdo, pelo ocultismo, porque é mais selvagem que outros. Adoro que digam que (“Las brujas de Zugarramurdi”) é o Alex na sua forma mais pura, como também já li, deixa-me louco. Isso diverte-me muito. Numa segunda leitura toca os meus tomates, desculpem a veemência. Eu sempre estive aqui. Parece que você só gosta de mim se eu fizer um cinema francamente louco. Eu não sou eu o tempo todo e sou muita gente. Sempre dei um exemplo, porque gosto muito, ao Sidney Lumet. Ele é um diretor sem espinha quando se trata de dirigir. Sobre o que são os filmes do Sidney Lumet? São sobre atrizes maravilhosas que alcançaram a velhice, sobre romanos, sobre romances de mistério ou o que quer que seja. São sobre um profissional que toca em qualquer assunto. Qual é a única coisa que todos eles têm em comum? Que todos eles são bons, alguns são obras-primas, outros não, mas são sempre bons. Ele é um grande realizador. Ponto final. É disso que eu gosto, eu gostaria de ser assim, mas não posso. Porque eu sempre venho aos rebentos e começo a comandar que há mais sangue, que há 20 bruxas, etc. Há coisas que eu gosto mais do que outras e me deixo levar pelos meus gostos, meus hobbies ou obsessões. Embora eu ache que não aceitaria um diretor que aceita o conceito de estilo, que é o seu próprio hobby e se deixa levar pelos seus gostos.

Em ‘Las brujas de Zugarramurdi’ você se surpreende com a quantidade de efeitos especiais na reta final. Você acha que os efeitos digitais podem ajudar o cinema espanhol a sair da crise, ou pelo menos ir mais ao cinema?

Bem, não é por isso que o estou a fazer, mas ajuda muito. De qualquer forma, tudo o que se somar aos espectadores é bom para um filme. Eu teria preferido não usar nenhum tipo de efeito, mas era impossível encontrar uma mulher que tivesse 50 pés de altura e duas mamas de uma tonelada. Apesar de termos feito um bom casting por toda a Espanha, não encontramos aquela mulher (risos). Então, decidimos fazê-lo com computação gráfica. O que é verdade é que em Espanha não estamos habituados a trabalhar com este tipo de efeitos. Nos filmes de fantasia é sempre feito em pequenos, com muito cuidado, e penso que a cena a que se refere é a mais ambiciosa que uma produção espanhola realizou a esse nível de ficção científica, gerando um enorme monstro como “O Senhor dos Anéis”. Estou muito feliz com o resultado e foi o que mais gostei durante a produção.

O resultado final do filme é semelhante ao que você queria fazer no início?

É o filme que mais se assemelha ao rascunho inicial. Secretamente, sem ninguém saber, temos estado a trabalhar nisso. Era totalmente secreto, como um projecto da NASA ou da CIA. “Vamos fazer um monstro de 50 pés”, dizíamos nós. Era algo muito ambicioso, era como quebrar a trajetória do cinema espanhol que tinha sido gente deitada na cama, sentada à mesa ou indo para o parque. Até lá. A partir daí há problemas: “Espera até eu pensar em algo sobre a Guerra Civil”… “Não!” Então, inventar algo diferente foi muito apelativo. A questão era perguntar algo que não tivesse sido feito.

Ele não se censurou?

Bem, sim, eles deviam estar nus. Devia haver mil e uma bruxas nuas. Isso deveria ter sido o fim, mas não foi.

Há muita coisa no seu filme sobre a tradição popular basca. Sente-se identificado com alguma parte em particular?

Com o gigantesco. Em Bilbao há uma tradição para as crianças construírem um monstro pelo qual entram na boca e saem pelo rabo por meio de um slide, que é o que se vê no filme. É algo que todas as crianças de Bilbao já passaram. Nunca tive tanto medo na minha vida; meia hora na fila até que subi as escadas e vi os dentes. “Foda-se, ele tem dentes!”, dizia ele. E quando entravas pela porta fechava-se e batia-te no rabo, bam! A que se vê no filme é a que eu montava quando era miúdo. Pegámos nela e arranjámo-la.

Como foi o processo de documentação do filme?

Na faculdade, estudei filosofia, hermenêutica e antropologia. Não li bem os livros, não os acabei e li-os mais tarde. Entre eles estava acima de tudo um livro sobre antropologia basca que eu gostei muito. A “Las brujas y su mundo” de Caro Baroja, essa é a chave. Havia covinhas no País Basco no final da década de 50. Que tal? Interessante, não é? No século XIX, a cobiça sai. Desde o século XVI, já existiam todos os fins de semana: as pessoas tinham orgias, sacrificavam pessoas, bebiam sapos e viam o diabo. Eles prenderam 4.000 praticantes, mas só mataram quatro, toda a lenda negra da Inquisição é uma mentira. As únicas pessoas que liam livros eram os jesuítas. Muitas pessoas foram mortas em Espanha, cerca de 2% da Alemanha, por exemplo. Os jesuítas não queriam que lhes dissessem que tinham estado com o diabo: “Sim, sim, a minha cunhada tem estado com o diabo”. “Vamos ver, o que você tem é a inveja da sua cunhada”, “sim, sim, mas ela tem estado com o diabo”.

Porque decidiu transformar a Vénus de Willendorf num monstro?

Sempre que digo isto pareço pedante e tonto, mas está bem. O meu professor de hermenêutica, Andrés Ortiz, ajudou-me muito a compreender a relação do matriarcalismo primitivo basco com o patriarcalismo europeu ou cristão. Esta é uma das razões pelas quais Caro Baroja diz que somos como somos e a verdade é que ele está muito certo. Há um substrato de uma religião naturista que não vem de um mundo híbrido europeu, mas de um mundo anterior em que as mulheres são a rainha da natureza. Ela é a deusa mãe com respeito ao grande Deus pai Moisés, Cristo, Maomé… A ruptura entre uma coisa e outra gera um mal-estar como aquele em que estamos agora. Da mudança para um Deus pai, tudo morre.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad