Berlinale 2012 : Meryl Streep recebe o Urso de Ouro de Honra

A estrela oficial do Festival de Berlim 2012 foi Meryl Streep, que recebeu o Urso de Ouro de Honra, acompanhada pela exibição de Phyllida Lloyd‘s The Iron Lady (2011) – que pode ser lida aqui – e uma das mais retumbantes ovações da 62ª edição do festival, segundo o jornal El Universal. A atriz confessou, em meio a piadas, que o gin e os tônicos servidos pelo diretor ajudaram-na a entrar no papel e que “mover-se” por trás da grossa camada de maquiagem necessária para caracterizá-la não lhe custou tanto quanto poderia parecer, embora isso lhe tenha facilitado manter uma “distância prudente” do seu personagem.

O ‘Tabu‘ afro-português, dirigido por Miguel Gomes e filmado em Moçambique, foi inscrito no concurso, com o seu retrato exótico e melancólico de uma história de amor adúltera que nos leva de volta ao início do fim do império de Portugal no continente africano. A AFP descreve-a como uma homenagem ao cinema e especialmente a Murnau, que é mostrada na sua fotografia a preto e branco e nas suas referências cinematográficas. A agência EFE nos conta de uma recepção comovente para este filme, que é quase mudo.

La mer à l’aube” (“O mar ao amanhecer”), de Volker Schlöndorff, que foi exibido na seção Panorama, e a Death Row” (“Fila da Morte”), de Werner Herzog, que foi exibida no Especial Berlinale, ofereciam duas perspectivas diferentes de personagens enfrentando um pelotão de fuzilamento nazista ou a caminho da execução em uma prisão moderna dos EUA.

Meryl Streep

Como o meu colega Juan Luis indicou anteontem, vou agora comentar as impressões que ele produziu na crítica ‘L’Enfant d’en Haut’ – em inglês intitulada ‘Sister’ -, que nos fala de um rapaz de 12 anos que vive da pilhagem e de um adolescente que se intitula sua irmã mais velha e que talvez seja um pouco mais do que isso. De sua diretora Ursula Meier, já comentei em seu dia “Lar, doce lar? (‘Home’, 2008) com a opinião de que para encontrar no filme o que a realizadora indica nas entrevistas que pretendeu, é preciso ir à procura. Da Página 12, na Argentina, destaca-se a fotografia de Agnès Godard para ‘L’Enfant d’en Haut‘ (‘A Criança de cima’) e a sutileza do seu desenvolvimento, que escapará aos telespectadores sem aviso prévio. Favorável a ela e suas críticas sociais estão na Filmin, o que faz dela um dos filmes mais notáveis a sair da Berlinale.

Wang Quan’an, vencedor do Urso de Ouro em 2006 por ‘La boda de Tuya’, apresentou o concurso ‘Bai lu yuan’, cujo título internacional, na ausência de um oficial espanhol, é ‘White Deer Plain’. É uma adaptação do romance de Chen Zhongshi, que já estava na lista negra há anos. O fim da era imperial é um tempo de instabilidade política que leva as duas famílias que habitam a planície a uma luta pela propriedade que serve de metáfora para as guerras que a China viveu, tanto entre os senhores feudais como com o Japão.

Kebun binatang’, que foi traduzido para o inglês como ‘Postcards From The Zoo’, é um filme multi-nacional, predominantemente indonésio, realizado por Edwin e que também foi inscrito na competição ontem. Trata-se de uma massagista que conta aos seus clientes histórias sobre os animais com quem cresceu. O diretor receberá o prêmio de melhor novo talento no Sexto Prêmio de Cinema Asiático, no dia 19 de fevereiro. Em TwitchFilm ela é descrita como um intrincado mosaico de histórias mostrando tensões raciais na Indonésia urbana.

Houve uma exibição oficial em competição com ‘Untamed’ (‘Haywire’, 2011), o último filme de Steven Soderbergh. Apesar de seu espetacular elenco, que inclui Gina Carano, Channing Tatum, Michael Fassbender, Ewan McGregor, Michael Angarano, Antonio Banderas e Michael Douglas, o filme não oferece nada além de entretenimento e a chance de ver uma mulher em luta em ação. Ela chegará à Espanha no dia 2 de março e até lá acrescentarei detalhes a esta opinião.

Na segunda-feira, a ‘Wilaya‘ de Pedro Pérez Rosado foi exibida na seção Panorama, que será estreada na Espanha no dia 11 de maio. Este filme, que ganhou o prémio de melhor actriz no último Festival de Abu Dhabi, conta uma história sobre duas irmãs que se reencontram nos acampamentos saharauis, através de Fátima, uma espanhola de origem saharaui que é obrigada a regressar aos acampamentos após a morte da sua mãe e que terá um caso com Said.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad