EDITOR DE FILMES | Coisas de TV

EDITOR DE FILMES | Coisas de TV

Edição >> Princípios de Edição

Enquanto roteiristas e diretores são o primeiro e o segundo contadores de um filme, os editores são os terceiros. Como os editores recebem uma quantidade limitada de filmagens, elas podem não aparecer assim, mas, através de técnicas de edição, o editor pode construir ou desconstruir uma narrativa ou documentário, e moldá-lo à sua própria vontade.

O trabalho de um editor constitui muito mais do que cortar e emendar filmagens. Walter Murch, o aclamado editor e sound designer vencedor do Academy-Award, cujo corpo de trabalho inclui The English Patient (1996) e The Godfather (1972), abre seu livro In The Blink of An Eye compartilhando sua experiência de pesadelo enquanto edita Apocalypse Now (1979).

Naquela foto, Murch enfrentou uma relação intimidadora de 95:1, o que significa que para cada minuto de filmagem usada no corte final do filme, houve 95 minutos não utilizados. Assim, considerando que Apocalypse Now o lançamento teatral do filme dura 153 minutos, isso significa que o total de filmagens foi de cerca de 14535 minutos ou 242 horas de duração! Com essa quantidade anormalmente extravagante de filmagens, a tarefa principal de Murch de escrutinar as filmagens para determinar o que funcionava e o que não funcionava era exponencialmente maior. Todos os editores passam por este mesmo processo, mas numa escala menor.

The Film Historian’s Insight

No final do século XIX, durante a infância do cinema, os filmes não tinham cortes ou edições. A câmera funcionava durante todo o tempo em que a bobina do filme estava. Durante a exibição, as filmagens de 1 minuto eram mostradas na sua totalidade para um público pagante. Logo, os espectadores ficaram entediados. A imagem estática era entediante.

Editar era a solução. Edgar S. Porter, um pioneiro do cinema, experimentou fortemente os dois princípios principais da edição: elipse e corte transversal. Ambas as técnicas contribuíram para suas conquistas com os filmes Vida de um bombeiro americano (1903), O Grande Roubo de Trem (1903) e Sonho do Rarebit Fiend (1906).

Cada frame conta. A adição ou remoção de um quadro pode quebrar ou fazer uma cena, suportando ou desfazendo a ilusão pretendida. Portanto, os editores trabalham diligentemente para manter a suspensão da descrença dos espectadores.

Quentin Tarantino na edição de filmes:

“Para um escritor, é uma palavra. Para um compositor ou um músico, é uma nota. Para um editor e um cineasta, são os quadros. Para um quadro fora, ou dois quadros adicionados, ou dois quadros a menos… é a diferença entre uma nota azeda e uma nota doce. É a diferença entre uma nota desajeitada e um ritmo orgásmico”

A edição do filme determina o ritmo e a estrutura; é um componente vital para contar histórias de forma eficiente.

Leituras Relacionadas:

Lições sobre Argumento:

Lições sobre Direção:

Lições sobre Cinamatografia:

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad