Kirk Douglas, mais de 100 anos percorrendo os caminhos da glória de Hollywood (e sem um Oscar)

Kirk Douglas, mais de 100 anos percorrendo os caminhos da glória de Hollywood (e sem um Oscar) 14 comentáriosFALANÇA DE HOJE SOBRE A PUBLICIDADE

Assine a Espinof

Publicidade

09 Dezembro 2019, 22:01 Kiko Vega@kikovegarKirk

Douglas sempre quis ser actor. Ele financiou seus estudos com a ajuda de uma bolsa de estudos de boxe, porque sua ambição sempre o fez lutar. E isso é exactamente o que ele nunca deixou de fazer. Em mais de um século. A última lenda de Hollywood faz 103 anos.

Nos anos seguintes aos seus estudos, Douglas se entregou na Academia de Artes Dramáticas de Nova York, onde conseguiu seu primeiro papel na Broadway. Logo depois, graças à sua amiga e parceira Lauren Bacallc, ele conseguiu um papel para seu amigo Douglas no ‘The Strange Love of Martha Ivers’, de Lewis Milestone, em 1946.

Douglas, que era um lutador, transformou o detalhe em sua primeira grande decepção ao não conseguir um papel de liderança. No entanto, tendo tido experiência pessoal com problemas de álcool na família, interpretou Walter O’Neil com brilhantismo e intensidade. Não foi um mau começo para uma carreira lendária.


Em EspinofO Grande Carnaval: Foi assim que o cinema contou como as tragédias humanas acabam se tornando circos midiáticos.

Ambicioso e idealista, ele rejeitou Dostoyevsky e Siodmak para trabalhar ‘O Ídolo Lamacento’

.

O papel do boxeador profissional sem escrúpulos tornou-se um momento chave na sua carreira. O seguinte seria simplesmente espectacular: os “Cativos do Mal” de Vincente Minnelli, “O Grande Carnaval” de Billy Wilder e “Duelo dos Titãs” de John Sturges estabeleceram Douglas como um dos maiores de todos os tempos. Além destes, entre muitos outros títulos, “20.000 Ligas Submarinas”, um daqueles clássicos imortais da Disney que não é supérfluo levar para passear de vez em quando.

Entre 1957 e 1960 ele filmou, preste atenção, o já mencionado western por Sturges, ‘Caminhos da Glória’ (Kubrick), ‘Os Vikings’ (Fleischer) e ‘Spartacus’, novamente sob o comando de um dos melhores diretores de todos os tempos. Como produtor deste último, ele causou um escândalo em Hollywood ao contratar Dalton Trumbo, roteirista e diretor de cinema americano que foi perseguido pelo McCarthyism.

Durante os anos 80, Douglas começou gradualmente a retirar-se do mundo do cinema e começou a escrever livros. Além das suas memórias, escreveu também romances e livros autobiográficos best-seller. Seu legado permanecerá para sempre, a começar por seu próprio filho, Michael Douglas, outro dos grandes de Hollywood que recentemente ganhou destaque com sua participação na Marvel ou seu sucesso na Netflix “O Método Kominsky”. Parabéns, maestro. É difícil acreditar que o único Óscar que tens é um honorário.

Espinof na Instagram

Siga

Compartilhe Kirk Douglas, mais de 100 anos percorrendo os caminhos da glória de Hollywood (e sem um Oscar)

TópicosPartilhar

Publicidade

Comentários

encerradosOs melhores

comentários:

Ver 14 comentários

Publicidade

Publicidade

Tópicos de interesse

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad