O indispensável Orson Welles

No dia 6 de maio, nasceu Orson Welles – nome completo George Orson Welles – um gênio e uma figura da sétima arte. Só por fazer Cidadão Kane’ (‘1941), o ator, diretor, produtor e escritor merece todas as honras e epítetos selvagens que se podem obter. Ele poderia ser considerado o pai do cinema moderno.

Como muitos, ele começou no teatro, onde teve grande sucesso. Também fez rádio, sendo muito conhecida a emissão do programa que adaptou o romance mítico de H.G. Wells ‘A Guerra dos Mundos’, cujo realismo na sua execução fez muitos americanos acreditarem que o planeta estava a ser invadido por alienígenas. Esta peculiar anedota – com a qual, entre outras coisas, Welles demonstrou o quão imbecil o homem pode ser – deu-lhe um contrato com a RKO que lhe deu carta branca para fazer filmes.

E assim foi. Orson Welles estilhaçou, e remontou, todas as regras estabelecidas na bela arte de narrar com imagens em movimento. Ao argumentar em todos os seus filmes que deve haver um equilíbrio entre forma e substância, ele ousou fazer presente a ferramenta que muitos não sabem para que serve: a câmera. Ele o fez sobressair, com ângulos impossíveis, quadros arriscados, ou desenvolvendo a profundidade do campo – que não foi uma invenção de Welles, olho, entre outras características que seu cinema contém.

Ao fazer isso, ele foi além das regras não escritas acima, ousando dar à câmera – o que Douglas Sirk disse estar escrito no cinema – seu próprio olhar, sua própria identidade. Desta forma, ele ousou ultrapassar aquela linha que muitos diretores só são capazes de sonhar, aquela que une vida e arte. O lugar que existe entre o momento vivido e o processo de filmagem é a casa de Orson Welles, de praticamente todo o cinema que saiu de sua mente ousada.

Pessoalmente, ela sempre teve problemas com seus produtores a partir de seu segundo filme – ela perdeu algumas tarefas – ela costumava assumir muitos trabalhos como atriz, dos quais conseguiu dinheiro para alguns de seus projetos pessoais.

Ele amava profundamente a Espanha, onde até filmou alguns de seus filmes. Ele morreu de ataque cardíaco aos 70 anos de idade.

Estes filmes são essenciais para uma boa homenagem a um auteur que, como Erich Von Stroheim anos antes, sabia que não há limites a não ser aqueles que se estabelece a si mesmo:

O Quarto Mandamento” (“The Magnificent Ambersons”, Orson Welles, 1942)

Mesmo assumindo o controle da montagem do filme – eles cortaram cerca de 40 minutos, incluindo a filmagem de um novo final – a RKO não conseguiu de forma alguma esconder a mão de Welles em seu segundo filme como diretor. Uma história de paixões e amores cruzados, novamente com Joseph Cotten em um dos personagens centrais. A grande Agnes Moorehead foi nomeada para um Oscar pelo seu trabalho.

O Terceiro Homem ( Carol Reed, 1949)

Há uma lenda urbana em torno deste magnífico filme: que Orson Welles escreveu todas as linhas de diálogo para o seu personagem – originalmente destinado a Cary Grant – e até assumiu a direção. Falso. Todos que trabalharam no filme, incluindo Welles, afirmaram que o filme foi inteiramente dirigido por Reed. Além disso, quem conhece a fundo o trabalho do cineasta britânico, sabe que este filme é puro Reed.

Adapta várias histórias do prestigiado William Faulkner, e contém uma das interpretações mais controladas de Orson Welles. Contudo, ele conseguiu matar com Ritt, que a certa altura até o atirou para fora do carro para o fazer voltar a andar com calma. O ator é tão cheio de energia quanto um cacique, o chefe de uma família fragmentada, e o duelo de atores com Paul Newman é antológico, especialmente na primeira seqüência que eles compartilham.

Sede do Mal’ (‘Toque do Mal’, Orson Welles, 1958)

O meu filme favorito do seu realizador, puro e simples noir com uma composição do próprio Welles – num papel secundário – absolutamente inesquecível. Um polícia corrupto envolvido em assuntos obscuros e com métodos muito particulares para apanhar os criminosos. Um papel que está perfeitamente definido no comovente comentário final de Marlene Dietrich. Por outro lado, o início do filme é, por todos os direitos, lendário.

“Impulso Criminal” (“Compulsão”, Richard Fleischer, 1959)

Um dos grandes filmes de Fleischer, no qual Welles dá vida a um advogado que deve defender os autores materiais de um assassinato que agiram na crença de que são capazes de cometer o crime perfeito. O discurso contra a pena de morte que Welles faz no final do filme, que dura dez minutos, deve ser ensinado em todas as escolas do mundo.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad