Os do túnel (2016) de Pepón Montero

Os que estão no túnelOs do túnelEspanha

(2016) *

Duração: 95 min.

Música: Estojos Carles

Fotografia: José Moreno Moti

Roteiro: Juan Maidagán, Pepón Montero

Endereço: Pepón Montero

Intérpretes: Arturo Valls (Toni), Raúl Cimas (Julio Montero), Natalia de Molina (Miriam), Neus Asensi (Lupe), Manel Barceló (Víctor), Abraham Fuya (Walter Sepúlveda), Carmela Lloret (Adela), Enrique Martínez (Esteban), Manolo Solo (José Manuel) Nuria Mencía (Sole), Teresa Gimpera (Camila), Jesús Guzmán (Segundo), Pol López (Pedro), Violeta Rodríguez (Hiedra), Alex Batllori (Rafi), Roser Vilajosana (Begoña), María Alfonsa Rosso (Abuela), Marta Fernández Muro (Sacramento).

Um túnel em construção está em colapso após uma forte explosão, ignorando quantas pessoas foram afetadas, sabendo apenas que há dois policiais.

Após uma semana de limpeza dos escombros, eles conseguem resgatá-los e, apesar do seu estado, um dos sobreviventes, o policial Julio Montero, garante que prometeu tirá-los de lá e, portanto, não descansará até que o último tenha partido.

Então ele vai até a ambulância, onde levam um de seus camaradas que está em coma e lhe asseguram que ele sairá à frente. Depois disso, ele pede a dois camaradas que libertem outro dos resgatados, que estava sendo vigiado pelos policiais que estavam presos no túnel, e Montero diz que ele deve ser liberado, porque se comportou como um homem corajoso e retira as acusações contra ele.

Mas entre os resgatados há também um homem morto, o marido de Adela, que chora tristemente, pois seus pais, que agora são idosos e também estavam no túnel, tentam confortá-la.

Uma adolescente também sai abraçando seus pais e dizendo que quer que eles voltem a ser uma família.

Toni, outro dos sobreviventes, pede a outra pessoa afetada, Walter, para tirar uma foto dele com os bombeiros.

Por sua vez, Miriam conta a Júlio a ironia de que quando regressava à sua aldeia depois de não ter vivido em Madrid, o túnel impediu-a de sair, o que ela interpreta como um sinal. Julio beija-a.

3 dias depois a reunião resgatada para jantar num restaurante.

Victor assegura que, depois de conseguir sua vila, seus Rolexes e seu iate, percebeu que isso não era importante, enquanto Lupe, sua esposa diz que pensou que tinha que tomar as rédeas da sua vida e deixar o álcool para trás.

Lá fora, a filha dele e a Miriam falam. Ela diz que Julio é o mesmo em casa que estava no túnel, que ele sempre a encoraja e que, como ela quer ser escritora, vai escrever um livro sobre sua experiência no túnel, enquanto Hiedra reclama que Rafa, o menino que foi preso agora parece ter sido cortado dela.

Lá dentro, eles decidem observar um minuto de silêncio pelo falecido Norberto, e estão todos concentrados, exceto Toni, que lamentavelmente observa enquanto o garçom tira o último croquete que ficou sem ter experimentado.

Camila e Segundo comentam que estavam presos no túnel quando Adela e Norberto os estavam trazendo de ver uma residência, dizendo que agora ele não os deixa, embora ele lhe diga que os estava levando para serem bem cuidados, pois sua casa é muito ruim.

Hiedra diz que eles devem mudar e começar a ser uma família normal onde as pessoas falam e contam coisas umas às outras, Lupe diz que vai começar, dizendo a todos que tem dormido com o jardineiro por vários anos.

Júlio se propõe a lidar com o tema da família de Adela entre todos eles, terminando com pais e filha se abraçando.

Esteban comenta então que também decidiram mudar e que ele e José Manuel pensaram que vão sair do armário, ele conta à sua família e o segundo, que já lhe contou, conta-o na câmara municipal da cidade dormitório onde é vereador do Grupo Misto.

Esteban tem medo porque sua família é de uma pequena cidade em Toledo, Quintanilla del Tajar, Toni apontando que todos eles poderiam ir e depois comer em um restaurante onde fazem um cordeiro extraordinário, chamando para reservar uma mesa para 13.

Walter leva Toni para casa em sua van, recebendo uma mensagem no caminho lembrando-os que no dia seguinte também é o funeral de Norberto.

Na manhã seguinte ele aparece à sua mulher com roupas de quando ele era mais novo para lhe mostrar o quanto perdeu no túnel, embora sua filha, que chega com o namorado, nem sequer lhe diga olá ou lhe pergunte como ele estava no túnel, enquanto sua mulher lhe fala do seu negócio de impressão, que ela acha que ele deveria renovar comprando uma impressora nova, embora ele também não preste muita atenção a ela enquanto ele fala com ela.

Para ir, e como ele tem o carro na oficina, ele deve pedir emprestado o de seu pai, um carro velho no qual ele ficou preso com um disco Pecos, não podendo parar o rádio, do qual o volume sobe e desce por si só.

Depois do funeral ele leva Adela, a viúva, que carrega as cinzas, seus pais e Walter com ele, até a vila de Esteban, que entra em sua casa para tentar falar com seus pais, embora na frente deles ele permaneça em silêncio sem ousar dizer nada, especialmente quando ele olha para seu robusto bastão pendurado ali.

Lá fora, Adela sai com as cinzas de Norberto, que seus pais pensaram que ela jogaria fora ali mesmo, o que ela considera indigno e um sinal de que eles não o queriam.

Victor diz à filha que não consegue esquecer o jardineiro, dizendo-lhe que a mãe se sentia muito só com ele sempre trabalhando, fazendo com que Victor decidisse sair do trabalho e ficar em casa com ela, o que, segundo ele, o faz sentir-se aliviado e feliz.

Toni começa a sentir-se nervoso quando vê que é hora do almoço e começa a buzinar, o que os outros o reprovam, e Esteban sai chorando e dizendo que não podia dizer-lhe porque Toni começou a apressá-lo.

De volta a casa, no dia seguinte ela observa a filha e o namorado sentados no pátio sem fazer nada, e deixando a menina que o cão lambe sem fazer nada, perguntando-se se a filha é normal, embora Sole, sua esposa pareça obcecada com o negócio deles, no qual, diz ela, eles ficam para trás, já que agora há impressoras 3D.

Para não ouvi-la, ele decide ir ao banheiro, esbarrando em seus pais, que estão preocupados porque, temendo que algo possa acontecer com ele no túnel, eles prepararam tudo para enterrá-lo no cofre da família, mas agora seu primo está no hospital há um mês e eles temem que ele lhes tire o lugar no cofre.

Depois vão para a impressora, onde ele pede ao estagiário para imprimir uma foto grande do grupo, embora o único com quem eles estão bem tenha Norberto morto nele.

Naquela noite, durante o jantar, José Manuel não está lá, embora lhes diga por telefone que saiu do armário da Câmara Municipal, o que todos aplaudem.

A Toni está atrasada. Ele lhes traz uma foto de todo o grupo desde o primeiro dia, uma em cópias grandes e pequenas para os outros, comentando Júlio que o que você vê nele é um grupo de pessoas que aprenderam a sobreviver porque tinham fé.

Mas então Adela percebe que tem uma mão no ombro, e todos percebem que ele apagou Norberto.

No dia seguinte vão todos ao hospital visitar Pedro, o policial que ainda está em coma, dizendo a Miriam que ele vê Rafi todos os dias porque ele está construindo uma cabana no jardim de seus pais, comentando que todos estão fazendo coisas menos ela, que ainda não começou com seu livro.

Toni se desculpa para a Adela pela foto.

No caminho para o quarto, Lupe confessa a Miriam que depois de ter parado de beber, não consegue entender como pôde ter dormido com o jardineiro.

Adela aproveita para dizer aos pais que vai levá-los para viver com ela, comentando o fato de que o pai de Ivy lhe deu um emprego.

Toni e Walter, que tiveram que subir as escadas porque não cabiam no elevador, também são deixados na porta da sala, pois são muitos, então decidem descer até o bar, onde Walter lhe diz que enquanto estiverem presos comeram os sanduíches e refrigerantes que ele tinha na van, o chefe dele deduz todos os meses e para ele é dinheiro demais.

Toni coloca um pouco de álcool em sua bebida, mesmo que Walter lhe tenha dito que era ruim para ele, vendo como, mesmo colocando muito pouco, ele imediatamente fica bêbado e lhe diz que na noite anterior ele entrou numa sala de bate-papo erótico, percebendo que a garota com quem ele estava saindo era Irma, sua antiga namorada, com quem ele tinha combinado de se encontrar.

Quando voltam para a sala vêem que os outros foram e não disseram para onde, dizendo a Pedro que ele está até o rabo nos tomates daquelas pessoas.

Quando ela chega ao próximo jantar, vê que todos ouvem com atenção Walter, que lhes diz que saiu novamente com Irma, seu primeiro amor, e que está feliz.

Ela também estava em Madrid e eles não se viam desde a escola, mas sentiram que estavam apaixonados como no primeiro dia.

Toni os interrompe e diz que a mesma coisa acontece com ele e sua esposa, que se amam como no primeiro dia, apesar de estarem juntos há 22 anos.

Quando ele vê que ela os interrompe, Julio lhe pede que lhes diga algo, porque eles nada sabem sobre ele, dizendo a Toni que ele está muito apaixonado e que sua esposa é arquiteta, e eles são muito próximos, também com seus pais e com sua filha, que diz, é tudo alegria, que eles lhes contam tudo, inventando uma vida que não é verdade.

Ela fala depois de Victor, que diz a Lupe que ele ainda é o mesmo idiota que a seguiu por toda Paris, onde ele a conheceu, e lhe pergunta se ela se casaria com ele novamente, aplaudindo todos menos Toni.

Quando ele volta para casa, todos estão em frente à televisão sem ninguém falar.

No jantar seguinte, Walter conta-lhes sobre sua família estendida, dizendo a Julio que deveria trazê-los para a Espanha quando receberem a compensação, ressaltando que não precisam esperar, que ele pagará pelos ingressos.

Todos apoiam o caso, exceto Toni, que diz que Walter está sozinho lá porque quer ser pago pelo que eles consumiram, e embora ele negue, eles decidem pagar-lhe cada um pelo que eles consumiram.

Julio pergunta a Toni o que há de errado com ele e se algo acontece com sua família, o que ele nega.

No sábado eles têm um churrasco no jardim, mas Toni parece ausente e não gosta, mesmo escondido no serviço, dizendo a Sole depois da festa que ele se sente muito mal e que não consegue respirar, embora ela esteja tão bêbada que mal o escuta.

Ele começa a pensar que sua vida é uma repetição, e um fracasso, já que eles não fizeram nada para realizar seus sonhos, como o dela para estudar inglês, de repente perturbando seu riso.

Ele também se lembra que eles foram à Eurodisney e nem sequer puseram os pés em Paris, e que não foram a Veneza, e todos os sábados se repetem aquelas festas em que todos dizem a mesma coisa.

No dia seguinte, na loja, ela diz a seus empregados que está preocupada, dizendo a Begoña que seu marido sofreu uma crise devido à síndrome do sobrevivente e está repensando sua existência e diz a ela para ir ao seu blog e ter algumas idéias.

Ele lhe diz que quando eram jovens lhe disseram tudo e Begoña lhe diz que aproveite esta oportunidade para recomeçar e que estão fazendo tão mal que ele deveria despedir Sacramento, mas ele não ousa, porque ela é viúva.

Na próxima reunião do grupo, todos eles vão acompanhar o Rafi para ver a avó.

As coisas não começam bem, porque a velha mulher diz que nem sequer o quer ver.

Enquanto falam lá dentro, Miriam conta a Walter que pensou em contar a história do túnel como se fosse contada pelo próprio túnel.

Adela diz aos pais que gostaria de jogar as cinzas de Norberto em Finisterre, mas parece aos pais que chove muito lá, então eles propõem as Ilhas Canárias.

Com Júlio como intermediário, eles vão lá fora e Rafi agradece à avó por tudo o que ela fez por ele e acabam chorando e se abraçando e fazendo todos chorar.

Toni, ainda excitado quando chega a casa à noite, bate à porta dos pais e abraça-os, agradecendo-lhes por tudo, embora eles pensem que ele o faz porque está bêbado e lhe dizem para ir dormir e perguntar se ainda têm algum dinheiro.

Uma vez em casa, Sole tenta seduzi-lo aparecendo em roupas íntimas sexy, mostrando-lhe um filme pornô que Sacramento lhe trouxe, embora ao invés de se empolgar ele perceba que o filme é de 95 e já se passaram 20 anos e se pergunta o que será daquele ator.

Na sua próxima saída, o grupo joga basquetebol.

Miriam continua pensando em contar sua história, falando sobre sua avó e a guerra civil, mas ela ficou confusa.

Julio vê que Toni não está centrado e não se integra, então ele pede que ele lhe conte seus problemas, embora enquanto Walter chega e eles o abordam. Parte de sua família chegou, seu pai, sua avó, um tio, um sobrinho e sua esposa.

Quando eles partem, Lupe diz à filha que o pai não pára de lhe dar abraços e que ela está farta e às vezes envergonhada.

Julio espera por Toni, que lhe diz que ele é assim porque tem um primo que está morrendo, dizendo-lhe que o compreendem e o apóiam, dizendo-lhe que o melhor é que seu primo tenha uma morte digna, perguntando se todos iriam ao funeral, pensando em matar seu primo para que ele possa ter essa morte digna, embora não dê certo, porque o câncer de seu primo é benigno.

Ele nota que todos estão a olhar mal para ele.

Enquanto isso, Walter vê que sua van foi roubada e ele fica muito doente, então, para acalmá-lo, Toni o esbofeteia, tornando-o violento com ele, que se desculpa dizendo que Julio sempre o esbofeteia para acalmá-lo e ele não fica bravo com ele, embora Walter não o escute e fique violento até que, de fato, Julio o esbofeteia e o acalma.

Julio diz a Toni para ir embora e não voltar, porque ele nunca foi um deles.

Quando volta para casa, leva a mala e diz a Sole que tem de ir a um congresso em Oviedo, embora nem saiba para onde ir, por isso decide ir ao hospital, ao quarto do Pedro, porque lhe diz que precisa de falar com alguém e que gostaria de poder parar a cabeça como ele.

Ele conta-lhe tudo, mesmo sabendo que ela não o ouve. Ele acha que no túnel eles não gostaram dele, mesmo achando que ele é legal e todos gostaram dele, mas agora ele não sabe.

Ele diz que se sente muito mal. Que ele nunca tinha pensado na sua vida e agora vê que é lixo, e mesmo assim os que estão no túnel mudaram e estão todos melhor.

O médico recomenda que ele fale com ele, já que ninguém mais o verá e ele lhe dá tranquilizantes.

Sua esposa acha que ele saiu de casa, porque ele lhe disse que ia a um congresso e nenhum deles dura 15 dias e ela também não sabe como falar com ele.

Mas graças aos comprimidos que o médico lhe dá, ele se sente cada vez melhor e está de volta ao seu antigo eu fazendo amizade com os doentes e no bar, onde todos já o conhecem.

E um dia, enquanto dorme, Walter aparece e pede que diga aos seus amigos que está lá há 15 dias aos pés da cama, embora Walter lhe diga que eles nunca falam dele.

Ele lhe diz que quer ir morar em Bogotá, porque ele já tinha o bilhete e já está cansado da família, sonhando em cobrar a indenização pelo acidente para mandá-los de volta, porque eles discutem constantemente, e também Irma o deixou quando ele falou com ela para pedir que ela deixasse seu trabalho indigno.

Sole mostra aos seus empregados um vídeo que ela gravou para ele, dizendo-lhes que também ela se sente só nos últimos anos e que todos eles poderiam ir, sua filha também para o psicólogo, dizendo-lhe que a loja está indo mal para ela.

Sacramento pede-lhe para não enviar algo tão triste.

E de repente Pedro recupera a consciência, sendo o seu progresso notável, enquanto ele consegue andar, então parece ter chegado o momento de partir, embora nem mesmo Pedro pareça se importar.

Sole finalmente envia-lhe um vídeo onde seus pais e amigos o cumprimentam no churrasco de sábado, sentindo-se mal novamente quando o vêem.

Mas então ele recebe um telefonema de Julio pedindo desculpas em admiração por seus abnegados cuidados com Pedro e o convida a ir com eles para a cerimônia de abertura do túnel no dia seguinte.

Ele leva Peter com ele, embora apesar de ter estado com ele não descubra até a metade do caminho que não se lembra de nada do que aconteceu no túnel ou do seu passado.

Ao dizer a Julio que era perfeito e que queria vê-los, ele lhes fala de todos eles e lhes conta tudo o que sabe sobre eles para que finjam se lembrar.

Por esse motivo, eles não chegam à cerimônia, mas chegam aos canapés.

Entretanto, ele apenas decidiu esclarecer as coisas falando com ele, então ele decidiu viajar para Oviedo e disse aos seus empregados que iria verificar o negócio no seu retorno, e que ele pensaria sobre isso durante a viagem.

Eles vão a um restaurante onde quase não têm nada, apontando que não fizeram reserva porque estavam esperando por um coquetel, vendo que ninguém mais se lembra deles.

Quando ele chega à reunião todos o elogiam e lhe dizem que conseguiu um milagre.

José Manuel diz a Adela que foi expulso do grupo misto porque saltou muitas sessões plenárias com as pessoas no túnel.

O Victor continua o mesmo e abraça a Toni.

Mas apesar do que lhe disse, Pedro confessa que não se lembra de nada, que sabe os nomes porque Toni os repetiu no caminho, dizendo que esta é uma terapia que consiste em repetir tudo, e pede aos outros que o ajudem, porque está exausto.

Eles decidem ajudá-lo a lembrar-se de tudo o que aconteceu no túnel.

Contam-lhe sobre o colapso, quando ficaram sem cobertura para os telemóveis e o carro de patrulha onde Rafi estava preso.

Miriam diz-lhe que ele deve lembrar-se dela, porque ela ficou histérica.

Julio se encarregou de organizá-los, encarregando-se da situação quando Segundo estava com pouco açúcar ou Victor estava nervoso porque seu celular não estava funcionando.

Miriam perdeu a calma lamentando o azar e Walter recusou-se a abrir a sua carrinha, salientando que a mercadoria não era dele, forçando Júlio a fazê-lo.

Ele então tentou encontrar uma saída através de uma câmara de ar.

Depois de ouvir o que eles dizem a Peter, fica desanimado, porque a imagem que eles dão dele é de covarde, porque ele não ousou investigar aquela câmera.

Walter gritava com medo que todos eles fossem morrer, e Julio muitas vezes tentava acalmá-lo dando-lhe uma bofetada.

Victor diz-lhes que eles estão lá graças a Júlio, porque Pedro era a favor de não sair dali e esperar que eles fossem resgatá-los enquanto Júlio lhes dizia que se eles o seguissem ele os tiraria de lá, e todos eles se inscreveram para ir com eles exceto Pedro, Toni, Norberto e Walter que não queriam sair da van, embora reivindicado por Adela, ele mudou de grupo fazendo sua sogra ir para o outro e Pedro para o grupo geral.

Toni pensa que, por causa disso, Julio ficou obcecado por eles, embora o negue.

O Peter quer saber o que lhe aconteceu.

Eles se lembram que encontraram uma caixa de dinamite e decidiram aproveitá-la para abrir uma rota de fuga, Julio, Toni e o próprio Pedro vão colocá-la.

Mas quando o colocaram, perceberam que tinham um cabo curto e que a onda de choque podia alcançá-los, então Pedro ofereceu-se para acender o próprio rastilho, algo que os outros ignoraram, porque Júlio não lhes disse.

E como o cabo era realmente curto, ele foi atingido por aquela onda e acabou gravemente ferido.

Júlio fingiu ter mais conhecimento do que tinha, dizendo-lhes frases muito técnicas e convolutas para deixá-los a todos admirados, apontando quando encontraram água que, se a bebessem, morreriam, por isso tiveram de beber a sua própria urina, embora todos começassem a duvidar que ele fosse tão esperto.

Enquanto todos andavam por todo o lado, deixavam Pedro ao lado do seu carro, pedindo-lhes que o fizessem e se salvassem pedindo-lhes que dessem o anel à Laura, o que o faz ter esperança de ter alguém, uma namorada, embora esclareçam imediatamente que Laura era uma prima freira dele.

Disseram-lhe para se aguentar. Que procurariam uma saída e voltariam por ele, algo que não fizeram quando saíram.

Toni se lembra que eles saíram no mesmo lugar que seus carros, algo que muitos não notaram por causa do choque do momento.

Julio lhes diz que prometeu tirá-los de lá, mas agora eles descobrem que estavam andando por aí para chegar ao mesmo lugar enquanto Julio apontava triunfantemente que ele havia prometido tirá-los de lá como ele fez.

Algumas pessoas não podem acreditar, mas Lupe disse que um bombeiro lhe disse que achava estranho que não houvesse ninguém nos carros.

Agora eles acham que andaram muito e beberam mijo, quando teria sido suficiente para eles ficarem em seus carros e esperar, o que faz Júlio se sentir mal, mesmo que Miriam tente encorajá-lo dizendo-lhe que ela fez isso por eles, reconhecendo que no fundo ele sempre sonhou que algo assim aconteceria com ele.

A Miriam diz uma das suas frases para ele. Ela diz-lhe para se lembrar que o sol nasce todos os dias, embora ele lhe diga que é óbvio que ela própria não acredita, por isso não é possível que alguém com tão pouco poder de convicção seja um escritor, dizendo a Esteban que ela nunca sairá do armário e que Lupe não suporta o seu marido. Que eles poderiam ter feito muito mais

Que a filha que fez as pazes com os pais só se deu por uma viagem às Ilhas Canárias e que Victor está perdido – reconhecendo que ele está e que pode estar deprimido.

Miriam diz que talvez eles tenham colocado a fasquia muito alta, apontando para Julio que era disso que se tratava, não de assentar.

Miriam diz que não chega e é muita pressão porque no final ela não é ela mesma, porque gostaria de jantar um dia em pijama ou ver televisão, e quando fazem amor na cozinha ela pensa que se o chão já escorregou, com a farinha será pior, depois ela vai lá fora fumar um charro.

Lupe diz que pensava que podia mudar, e que todos pensam que podem mudar o mundo, mas ninguém pensa em mudar a si próprio.

Ninguém conseguiu o que procurava, apontando a Julio que o único que estava à altura era o idiota, olhando para o Toni.

Adela admite aos seus pais que não pode continuar assim e que precisa de viver sozinha.

Lupe diz a Víctor que ela não o suporta sóbria, e que ou o deixam ou ela se embriaga, derramando vinho em seu copo, porque ela prefere que ele beba, e ele aponta que ele vai voltar ao trabalho.

Hiedra diz que terá que deixar Rafi, porque tudo o que eles fazem é uma chatice, e também terá que deixar o trabalho, já que Victor não estará em casa.

Walter pergunta sobre a compensação e eles dizem-lhe que se conseguirem alguma coisa, será daqui a 10 anos.

Ele se propõe a quebrar um jarro de sangria, mas ele fica ali porque Rafi o venceu, quebrando a louça e perguntando o que ele vai fazer agora, depois de ter se deixado bagunçar por eles, trabalhando por um salário de merda, e morando na casa de Segundo e Camila, que estava em um estado fatal, depois do que ele diz a Julio que é um palhaço antes de ir embora, Walter também sai furioso.

Pedro diz à Toni no banheiro que vai criar uma nova personalidade, porque não gosta do que ela lhe disse sobre como ele era, enquanto eles dizem que Rafi incendiou o carro da polícia de Julio.

Cada um volta para o seu carro a discutir.

Esteban promete novamente que nesse fim de semana vai contar aos pais, embora seu namorado não acredite mais nele.

Adela diz aos pais que Norberto era a única coisa boa que ela tinha.

Toni vê um avião decolar, sem saber que em outro sua esposa está indo para Oviedo.

E quando ela vê um anúncio de um cão desaparecido, lembra-se dela.

Julio dirige desolado com seu carro patrulha destruído, sendo ultrapassado no túnel por Toni enquanto em seu carro soa “Na minha vida só há esperança” por Pecos.

Ele liga depois enquanto dirige para Sole para lhe dizer que ele está voltando para casa, ela lhe diz que ela está em Oviedo, ele lhe diz que ele não a ouve bem, dizendo mais tarde, “agora, estou saindo do túnel”, enquanto na verdade ele deixa este para trás.

Classificação: 2

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad