Predador vs. Juiz Dredd vs. Alienígena: Corte e Ponto: Os Ingredientes Certos para uma Caça Legal

Quando a FOX estava desenvolvendo dois de seus projetos estrela, eles nunca pensaram que poderiam ser algo mais do que filmes. Durante anos desenvolveram a sua vida em vinhetas que viviam em paralelo com as múltiplas encarnações cinematográficas. E em cada um deles procuravam algo mais sobre a essência das criaturas. Um deles era, Predador vs. Juiz Dredd vs. Alienígena: Cut and Splice.

TRÊS PERSONAGENS DE FILMES E REVISTAS EM QUADRINHOS

Os Predadores enfrentaram os maiores guerreiros do universo, e não demorou muito para que eles enfrentassem heróis de outras editoras. Batman, Super-Homem, Magnus Robot Fighter, lutaram contra os maiores caçadores da galáxia, e o resultado nem sempre foram vitórias.

Enquanto os alienígenas tiveram um desenvolvimento que muitas vezes beirava a filosofia ou a religião, o seu caráter de pureza animal estabeleceu o horizonte para questões muito mais profundas. Mas eles também não foram poupados de encontrar super-heróis como o Super-Homem.

Mas enquanto nos filmes eles tiveram resultados mistos, no papel todos queríamos ver quem seria o caçador e quem seria a presa num confronto. E quando isso aconteceu, acabou por se tornar uma batalha que atravessou o universo e o tempo. Inimigos mortais, ambas as espécies se encaixam como monstros. Mas como protagonistas, eles deixaram algo a desejar. Foi sempre necessário um componente humano para que o leitor tivesse empatia, para viver a luta como aquelas criaturas assustadas que testemunharam o espectáculo sangrento em pavor.

DREDD, MELHOR EM BANDA DESENHADA DO QUE NO ECRÃ

Mas se a história é longa nas duas espécies alienígenas, a do Juiz Dredd é ainda mais longa. Nascido na revista 2000AD em 1977, o homem da lei teve uma vida mais curta, e pior, nos quadros, mas nos quadrinhos ele tem sido o emblema da sua editora e dos quadrinhos ingleses desde o seu nascimento. Isso levou a confrontos com personagens de sua editora e outros ingleses, mas não com outros personagens americanos, exceto o Batman, com quem ele se cruzou várias vezes, com resultados mistos. Mas eu visito o universo da FOX, ou melhor, tanto os Aliens como os Predadores atacaram a Mega City 1, a casa do Dredd.

Era apenas uma questão de tempo até que os três gigantes colidissem. O evento tem sido lento, mas no final, os caçadores de estrelas, os animais mais puros, e o homem que encarna a lei, se enfrentam.

UMA HISTÓRIA DIRECTA, VIOLENTA E SANGRENTA

John Layman tinha um trabalho difícil à sua frente. Fazer com que eles se encontrassem foi difícil. Dar sentido à batalha, e não apenas ao encontro, era ainda mais complicado. Mas o argumentista não se complica em estruturas complicadas, ele é direto, uma coisa leva a outra. Um predador cai e o seu próprio povo vai à sua procura, um cientista extrai DNA dele e dos restos de um alienígena ele guarda como um troféu. Dredd persegue um criminoso até onde tudo está acontecendo, e descobre o cientista, um criminoso fugitivo. Ele tem tudo o que precisa, crime, caça e ciência que tenta abusar das espécies mais mortíferas do universo.

O básico de cada personagem torna-se a razão do encontro, e acaba sendo orgânico, o resultado, uma caçada, uma investigação e uma infecção: Predador, Juiz Dredd e Alienígena. Simplicidade é o que faz a trama brilhar. Mas isso não faz uma boa história em quadrinhos, tem que haver mais, subplots, há, e um objetivo além. Neste caso as experiências científicas fugitivas, o uso e abuso da ciência além da moralidade.

A arte tinha que ser algo especial, porque cada um dos protagonistas tem um aspecto determinante, e uma estética que evoluiu muito no caso dos Predadores. Chris Mooneyham levou o tato ao Dredd, e assume o resto do elenco, com um estilo sujo e escuro, rua, está abraçando a estética do pântano e as sombras que os alienígenas usam, e as árvores que permitem aos caçadores perseguir suas vítimas. A ação é como a história, direta e sem concessões, com Carlos Ezquerra, criador do Dredd, influenciando sua linha, o cartunista marca um passeio pelo inferno com tiros, cortes e sangue, pelo galão.

MAIS DE 100 ANOS DE LUTA

Com a celebração do 40º aniversário da franquia Alien, e com o 30º aniversário do Predador recentemente concluído, e o 40º do Dredd já concluído, Norma Editorial publicou várias séries das personagens. Mas este gibi vai um pouco mais longe, leva as criaturas da FOX a enfrentarem uma besta ética, da lei, onde têm brutalidade e um código moral de caça, a luta não é apenas física. Para os fãs de qualquer um dos personagens, é uma história em quadrinhos que eles deveriam ter, porque cada um deles levanta seu lugar na ficção e a confronta brutalmente. Não há lugar para dúvidas, ou você mata ou é morto, e as duas espécies mais perigosas do universo enfrentam um colosso imóvel, Dredd, uma batalha que só um pode vencer.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad