Ravens (1975) por Carlos Saura

Raven breedingSpain

(1975) *

Duração: 112 min.

Música: M. Quiroga, J. Valverde, J.L. Perales, Federico Mompou

Fotografia: Teodoro Escamilla

Roteiro e Direção: Carlos Saura

Artistas: Ana Torrent (Ana), Geraldine Chaplin (María / Ana), Mónica Randall (Paulina), Florinda Chico (Rosa), Héctor Alterio (Anselmo), Germán Cobos (Nicolás Garontes), Mirta Miller (Amelia Garontes), Josefina Díaz (Abuela), Conchita Pérez (Irene), Mayte Sanchez (Maite).

Ana lembra-se da morte de seu pai, ocorrida vinte anos antes, e pela qual ela se considera responsável.

No meio da noite, Ana estava descendo as escadas quando ouviu ofegar no quarto do pai. Ela então ouviu o seu pai afogar-se enquanto ele via uma mulher assustada a correr para fora da sala.

Sem hesitar, ela entrou no quarto, pegou um copo da mesa de cabeceira e levou-o para a cozinha, onde o lavou com muito cuidado.

No dia seguinte, ela teve que ir ao funeral, embora se recusasse a dar um beijo ao falecido.

Com sua mãe e seu pai mortos, ela toma conta dela e de suas duas irmãs, sua tia Paulina.

Ana lembra-se de que tinha poderes como invocar a presença da mãe, apesar de ter morrido muitos anos antes.

Ela a vê na cozinha, ou contando suas histórias, ou fazendo seu cabelo. Mas ela também se contorcia de dor devido à doença que acabou com a sua vida, sem que o seu pai lhe desse a importância que ela tinha, enredado nas confusões da saia.

Embora pouco a pouco eles estejam se adaptando à nova vida com sua tia e avó, de vez em quando surgem alguns atritos, como quando ela anuncia que vão passar um fim de semana na casa que Nicolas e Amélia, amigos da família, têm no campo e a irmã de Ana lhe diz que Amélia era a mulher que estava com seu pai no dia em que ele morreu, o que sua tia se recusa a acreditar.

Ana se lembra de outra viagem à casa de seus amigos, quando seus pais ainda eram vivos e surpreendeu o pai curtindo com Amelia.

Alguns dias mais tarde será Nicolás quem lhes fará uma visita, falando com Paulina a quem ele conta os problemas do seu casamento.

Enquanto os dois adultos estão juntos, Ana aparece com uma arma que ela afirma que seu pai lhe deu e que eles logo descobrirão que estava carregada, perdendo a paciência enquanto Paulina bate na rebelde Ana.

Depois do que aconteceu, Nicolas e Paulina acabam por se beijar.

Esse fato, e vários argumentos anteriores, faz com que Anna acabe odiando Paulina, com quem ela decide acabar com isso.

Ela usa o mesmo método que usou com seu pai, que ela acredita que o matou. Ela vai despejar no leite da tia uma colher de leite de uma caixinha que sua mãe lhe deu quando ela era pequena para jogar fora e que ela decidiu guardar quando lhe disse que era um veneno muito poderoso, mas que era apenas bicarbonato.

Novamente naquela noite ela entra no quarto de sua tia, pega o copo do “veneno” e o esfrega, após o que volta para a cama.

No dia seguinte Rosa, a criada, acorda as meninas para ir à escola pela primeira vez depois das férias, e enquanto elas se preparam para isso, sua tia Paulina aparece, tão saudável como no dia anterior, para ajudá-las a se vestir.

Classificação: 3

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad