Revisão de ‘A Múmia’: O infame erro da Universal Pictures

Críticas de filmesPor David Lorao2017-06-102017-06-13Share

Ontem foi o dia da “A Múmia“. O início do chamado Universo Escuro, o universo compartilhado dos monstros clássicos da UniversalPictures. A Múmia‘ foi lançada com revisões abaixo da média. Apenas 25% em tomates podres no início.

Um verdadeiro golpe para o estúdio e para Tom Cruise, o personagem principal de um filme do qual vamos resgatar os pontos positivos e negativos. Vamos evitar os spoilers. Ou seja, esta revisão de “A Múmia” é totalmente livre de estragos. Sem mais delongas, aqui vamos nós.

Pontos positivos de “A Múmia

Estes são os pontos positivos que podem ser resgatados do filme:

  • Se você está procurando um filme de ação sem nada mais para fazer do que passar algum tempo despretensioso assistindo a um filme com um bom design de produção, ‘A Múmia’ é bastante digerível. Só não procures mais nada além disso.
  • A Sofia Boutella é incrível. O antagonista do filme tem um grande design, uma estética que, juntamente com o seu empenho, faz com que os melhores momentos do filme sejam seus. Para a história deste género, a sua cena em Londres Sensacional.
  • O Doutor Jekyll (Russell Crowe) é a única coisa que realmente serve ao propósito da UniversalPictures. A busca pela fundação do Universo Escuro começa e termina com Jekyll. A sua integração nesse universo partilhado e a sua interacção com o ambiente do bem e do mal serão os únicos apoios significativos que servirão de ‘A Múmia’.

Pontos negativos de A Múmia

Estes são os pontos negativos do primeiro filme do Universo Escuro:

  • A montagem é um verdadeiro naufrágio. Eu realmente não entendo porque essa tendência atual em Hollywood de infestar um blockbuster com flashbacks e mais flashbacks. Mas, para completar, a insistência. A incidência desses flashbacks, que se repetem até 5 ou 6 vezes no mesmo filme. Tomar o espectador como um tolo.
  • A presença do roteiro é absurda. Há tantos momentos absurdos que o filme poderia ter sido chamado de “Múmia Assustadora”. Não estamos a falar dos momentos de humor dentro do filme. Sim, os momentos de humor estão lá. Mas os momentos absurdos também estão lá. Eles trabalham fora do próprio estado de espírito. Eles dão a sensação de acontecer involuntariamente. Como se o guião não fingisse que eles estavam lá. Mas eles são. E eles tiram-te do filme constantemente.
  • Os caracteres são completamente planos.

Mais pontos negativos de “A Múmia

Continuamos com a lista de pontos negativos do último filme da Universal Pictures, o primeiro do Universo Escuro:

  • O que vai acontecer agora com o DarkUniverse? É uma pena que nem “Drácula, a Lenda Nunca Contada” (2014) nem “A Múmia” pudessem lançar as bases para algo realmente sério. Desta vez, há esperança nas mãos do Dr. Jekyll e da sua missão particular. Mesmo da sua organização. Mas a metodologia da Universal Pictures com seu universo compartilhado de monstros clássicos não é correta. Isso já são dois fracassos. Um terço será difícil de sustentar. Especialmente com os actores que estão a confirmar.
  • TomCruise está completamente dominado. Não concordo com os críticos quando apontam o Russell Crowe como um dos maiores fracassos do elenco. O tandem de Tom Cruise (‘On the Edge of Tomorrow’) e Annabelle Wallis (‘Peaky Blinders’) não se sustenta de forma alguma. Ela é modesta, num papel submisso que infelizmente continua a resistir na indústria cinematográfica. Mas o Tom Cruise está sobrecarregado. Está fora de si. Solvente em ação, como sempre. Embora longe de ser um actor que consegue mexer-se. A sua caracterização é, para dizer o mínimo, péssima. Uma das piores de toda a sua carreira. Pior ainda que “VanillaSky” (2001).
  • A sensação que lhe resta é a de uma oportunidade perdida. Quando se sai do cinema, é essa a sensação. Uma mistura de depressão e impotência por causa da grande oportunidade que a Universal Pictures tinha em suas mãos. Com designs de produção soberbos, um vilão extraordinário e um elenco escandaloso, parecia que ‘A Múmia’ podia ter tudo para superar o que Stephen Sommers fez com aquela franquia no final do último milênio. Mas ele nem sequer se aproxima dela.

Resumo da revisão de “A Múmia

Em suma, ‘A Múmia‘ sofre de um problema básico que não é outro senão ter dado este filme a um produtor de cinema que queria ser realizador. A carreira de Alex Kurtzman está inevitavelmente ligada à produção cinematográfica. Um erro, eu insisto, na metodologia da Universal Pictures com o seu DarkUniverse.

No entanto, a jornada deste universo partilhado só agora começou. Ainda temos esperança depois deste filme. Podemos dizer que “A Múmia” tem sido uma experiência fracassada. O segundo depois de “Drácula, a lenda incalculável“. Embora este filme tenha sido um erro desde o início e, de momento, esteja fora do cânone do Universo Escuro. Teremos de esperar para ver como avança. O que é claro é que a Universal deve ouvir as críticas da mídia especializada e dos fãs. Resolva os problemas e dê rédea solta a essa beleza intrínseca na dualidade dos homens. A essa eterna batalha entre o bem e o mal.

“Por enquanto, o homem negro está a ganhar.” (Alan Moore, ‘Top 10’)

Alex KurtzmanCríticas ao filmeDark UniverseApresentaçõesThe MummyFilm NewsThe MummySharePrevious PublicationI Do Things. Você pode me encontrar no Twitter como @goonielor.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad