Rugas (2011) por Ignacio Ferreras

WrinklesSpain

(2011) *

Duração: 89 min.

Música: Nani García

Fotografia: David Cubero

Roteiro: Ángel de la Cruz, Paco Roca, Ignacio Ferreras e Rosanna Cecchini (Banda Desenhada: Paco Roca)

Diretor: Ignacio Ferreras

Emilio, um velho aposentado que sofre de Alzheimer, é internado por seu filho em um hospital geriátrico, cansado de todo o desconforto que gera devido à sua doença.

Ao levá-lo para seu novo quarto, ele se lembra de seu primeiro dia de aula, quando se sentia impotente e queria voltar para sua mãe.

No asilo partilhará um quarto com Miguel, que apesar de estar na Galiza há 30 anos, não perdeu o sotaque argentino, o país onde passou a maior parte da sua vida. Chamará Emilio Rockefeller quando souber que foi director de uma agência bancária.

Miguel ficará encarregado de lhe mostrar as instalações e de o actualizar na rotina diária da sua nova casa: mostra-lhe a sala de estar, que conhecem como o aquário, a sala de televisão onde só mostram documentários sobre animais, e a piscina, que, informa-o, é para impressionar os clientes – os que pagam as contas – mas não os reclusos, pois a maioria deles precisa de ajuda até para tomar um duche.

Na sala de jantar, ele divide uma mesa com outros idosos, verificando que alguns estão muito resignados e entendem seus filhos. Ela também vê o amor de Loly por Modesto, seu marido, e sua paciência, cuidando dele mesmo que ele quase não note nada devido ao seu avançado estado de Alzheimer.

Depois de ter visto como Miguel engana uma velhota a quem pede dinheiro para fazer um telefonema, que ele nunca receberá, Emílio acusa-o de lhe roubar a carteira.

Às quartas-feiras, os idosos assistem à aula de ginástica, um exercício muito básico que consiste em passar a bola uns aos outros, mas com o qual os idosos gostam de observar – e alguns até de tocar – a bela instrutora.

Quando o relógio desaparece no dia seguinte, ele decide procurá-lo entre as coisas do Miguel, descobrindo que está escondendo uma caixa cheia de dinheiro e comprimidos em seu armário, ameaçando-o com uma surra se ele contar o que viu.

Quando chega o Natal, todos os reclusos recebem seus parentes, embora Emílio se pergunte quem é a criança que o chama de avô, à medida que sua doença avança.

E é durante essas férias que ele percebe a doença de que sofre, quando lhe é dada a medicação de Modesto por engano, e ele percebe que é praticamente como a sua.

Um dia ele sobe as escadas, embora Miguel o tivesse avisado para não subir, descobrindo ali as pessoas que precisam de ajuda para as coisas mais básicas, sentindo-se muito triste por vê-lo.

Ele conta a Miguel sobre sua descoberta e se propõe a tomar os comprimidos que tinha guardado em seu quarto, o que Emílio recusa, vendo como ele vai para a piscina e se joga nela vestido.

A partir desse momento Miguel tentará ajudá-lo, tentando evitar que enfermeiras e médicos percebam sua distração, evitando que lhe façam os testes que podem levá-lo lá para cima, quando subiram a Modesto, Loly subindo com ele para poder continuar juntos.

Com o dinheiro acumulado, Miguel recebe um descapotável que Emílio deve dirigir, ambos indo junto com Antônia, outra velha senhora para desfrutar da liberdade, sofrendo um acidente, depois de ter dirigido na direção oposta.

Embora as lesões não sejam muito graves, Emilio é levado lá para cima.

Pouco tempo depois, Antônia será vista sozinha na sala de jantar porque Miguel decidiu imitar Loly e subir com Emílio para ajudar e cuidar dele.

Classificação: 3

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Esta web utiliza cookies propias y de terceros para su correcto funcionamiento y para fines analíticos y para mostrarte publicidad relacionada con sus preferencias en base a un perfil elaborado a partir de tus hábitos de navegación. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de sus datos para estos propósitos.
Más información
Privacidad